Pesquisar este blog

sábado, 3 de outubro de 2015

Quem foi Lázaro?

Primeiro dia de sala especial para crianças na igreja, e Luísa me vem com esta:
- "Mãe, a tia fez um quiz e perguntou quem foi que Jesus ressuscitou. Eu disse: LÁZARO!
Ninguém sabia, mãe. Só eu!!"

Quase caí do sapato.
Como assim?

Vamos voltar à frase lá de cima: "Primeiro dia de sala....na igreja..."
Primeiro dia, gente! E ela sabe quem Jesus ressuscitou! Nem EU sabia!!!

"Como você sabe disso, Lú?"
Imagine um dããããr bem grande vindo dela pra mim:
"A música da Aline Barros, mãe!!"
Ou seja, a criança ouve e interpreta a música.

Segue pedacinho da música:

"Lázaro ouviu a sua voz 
quando aquela pedra removeu
depois de quatro dias ele reviveu
Mestre não há outro que possa fazer
aquilo que só o seu nome tem todo o poder
eu preciso tanto de um milagre"

Orgulho, filha! Orgulho.


Muito prazer: meu nome é teimosia e meu sobrenome é drama.

Se você tem um filho ou uma filha de 7 anos, que se encontra no auge da teimosia, toca aqui, e vamos chorar juntas.
Olho pruma árvore e digo "esta árvore é verde!", e ela diz "nããão. é amarela!".
"É verde, filha!". E ela: "nããão éééé....nãoooo éééé.....eu disse nããão ééééé!!!!! não é, não é, não é........."

Na hora do banho:
"Eu não suporto quando você fica me mandando fazer as coisas. Você só sabe mandar em mim. Todo dia me manda tomar banho. Pra quê? Eu já tomei banho ontem! Eu não gosto de tomar banho todo dia. Você é uma chata!"

Na hora das brigas:
"Eu escolhi você pra ser minha mãe porque achei que você fosse uma mãe serena, e...."
Pausa para notarem a palavra serena no vocabulário dela.
"...se eu soubesse que você não era serena, eu teria escolhido outra mãe!"

"Tá bom, Luísa, então vamos fazer assim: vou arrumar outra mãe pra você, ok?"
"Eu não quero outra mãe!!! Quero que você seja mais serena e menos chata comigo e pare de me mandar tomar banho todos os dias!"


Estes são apenas exemplos do que ouço TODOS OS DIAS por aqui. E também provas de que VOCÊ, que está ME LENDO, não está sozinha!!! Descobri que 7 é o número da teimosia e quase 8 é o número do drama.

sábado, 22 de agosto de 2015

A verdadeira história de Anita

Há um tempo atrás, escrevi aqui que arrumamos uma gatinha pra Luísa.
Contei que quando vi a ninhada tentei convencê-la a esperar um pouco mais e procurarmos um bichinho mais bonitinho, já que ali só tinha gatos pretinhos; e ela disse que não, e que tinha que ser preto para combinar com a cor do pai, meu marido. (ahhahaha...).
Pois bem.
Passados seis meses de existência e convivência com a gatinha, descobrimos que ela era ele.
Anita era macho.
Tentamos trocar o nome, chamá-lo de Anito, mas não rolou, e Anita permanece Anita até hoje, com potes de água e comida cor de rosa, só que macho.
O que foi legal! Afinal de contas, agora além da cor combinar com a do pai, o sexo também combina, o que nos faz duas meninas e dois meninos aqui em casa, duas brancas e dois pretos, como ela diz.


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Prestenção, gente!!

E antes de dormir:

-"Mãe, pai, vamos fazer a oração da família?
- Vamos!
- Então eu falo e vocês repetem: Papai do céu...
- Papai do céu.
- Muito obrigada pelo dia de hoje...
- Muito obrigada elo dia de hoje.
 - Pela nossa casa...
- Pela nossa casa.
- Pela nossa comida...
- Pela nossa comida.
- Pelo papai, pela mamãe...
- Pelo papai, pela mamãe.

- Ô gente! Prestenção!! Vocês tem que falar "obrigado pela Luísa..."

Prestenção!!

sábado, 1 de agosto de 2015

Parque da Mônica

Mais um texto escrito pela Lulú, contando sobre nosso dia no Parque da Mônica:

"Ontem eu , minha mãe , Nara e Gabrielle fomos ao Parque da Mônica. Chegamos lá tava uma fila em todos os brinquedos. O 1o.  foi a montanha russa do astronauta.
O 2o. foi o brinquedão do Chico Bento.
O 3o.  foi o horacic park e etc. 
Depois no mc donald´s mamãe e eu  pedimos mc nifico  Nara e Gabrielle cbo.
Depois fomos no carrossel e chegaram os personagens. Tiramos fotos."




Qualquer hora ela assume de vez o blog. 

****

A opinião da Mãe da Lulú sobre o parque:

É o Parque da Xuxa com carinha da Turma da Mônica, só que ainda com menos brinquedos.
É um "buffetzão" infantil, onde você pode até deixar as crianças maiores perambularem sozinhas por lá. 
Com exceção da montanha russa e do "splash", elas podem ir desacompanhadas em todas as atrações.
O preço do ingresso é justo. Da lojinha, um absurdo.
Alimentação: Mc Donald´s.
Personagens: fofos. 




Complementando o raciocínio lógico



Compramos ontem o Banco Imobiliário Junior e a brincadeira à noite foi em família. 
Volto a afirmar: Luísa é BOA em matemática - ufa!! 

(Mônica Japiassú, você tem razão em seu comentário anterior....)

O mais legal: 
não foi eu quem incentivou Luísa a escolher o jogo, e sim, ela mesma. 

Apesar da linguagem "complicada" ainda para a idade - títulos de posse, lucros a receber, investimentos, falência, etc... - acredito que a familiarização com estes termos é valiosíssima. 

Também acho que é o tipo de jogo de tabuleiro pra se jogar durante dias! Deixar tudo montado num canto da casa e ir jogando, comprando, investindo...
Ainda não encontramos este canto aqui, pois temos um gato pentelho que adora "chutar" tudo o que vê pela frente, mas vamos encontrar.
Fica a dica.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Raciocínio rápido e lógico



Luísa aprendeu a gostar de matemática
depois de ter tirado notas super boas nas provas.
E para mim isso é um orgulho,
pois quem estudou comigo,
sabe do que estou falando.

Subindo as escadas do prédio onde moramos, ela contou 4 apartamentos em cada andar:
- "Então se são 4 apartamentos por andar, tem 16 apartamentos em cada prédio.
   4 prédios, mãe, quanto é 32 mais 32? É 64? Nossa! Então tem 64 apartamentos em nosso    
   condomínio!"
Luísa, ainda no 2o ano.
Que delícia.
Que assim seja sempre!

domingo, 26 de julho de 2015

Família

Existe bem mais precioso?

Não.
Definitivamente.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Amigami

"hoje a noite o seu helio entregou um sedex  e era dois gatos para enfeitar  da amigami ."

Luísa começou a escrever este post, mas não deu conta e acabou desistindo.
Pois é. Seu Hélio é o porteiro do nosso condomínio, um amor de pessoa e é ele quem nos entrega as correspondências e Sedex.



Ganhamos de presente dois bichinhos da coleção Amigami, da Mattel: um cavalinho e uma girafa.
Amigami são bichinhos de plástico que vem acompanhados de várias cartelas decorativas, adesivos e prendedores, para que seu filho personalize-os como quiser. Uma fofura, além de que são brinquedinhos que inspiram a criatividade infantil.
E em tempos de tanta tecnologia, confesso que fico encantada com presentinhos tão criativos e manuais.
Obrigada Mattel.
Amamos.




Aproveitando o segundo dia de férias chuvoso. Delícia de brinquedo.



                 

domingo, 28 de junho de 2015

A mania que temos de complicar


A coisa foi bem simples:
-"Filha, comprei um par de meias para cada uma de nós. Olha só que legal! Agora você escolhe a sua..."
E sem pensar muito, ela escolheu um pé de cada. Ou seja, para que complicar? Para que esquentar a cabeça com escolhas? Pega uma de cada e pronto!

Aah, se a vida fosse assim...
Bom domingo à todos!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Mãããe, me checa!!!


Mas não é que foi assim mesmo ????

Menina respondona

"Belém, belém, nunca mais vou ser sua amiga!"

"Eu quero e pronto"

"Eu que mando. Você não manda em mim!"

Não, minha gente, eu não vou ficar louca. 
Eu não vou ficaaaaar loucaaaaaaaaaaaaaaaaaa.............

Há algumas semanas, minha filha, aquela menina belezinha e bem educadinha, vem me dando respostas atravessadas e até, acreditem, revirando os olhos pra mim e jogando longe objetos, quando é contrariada. A palavra NÃO impera por aqui, e a luta para um simples banho vira guerra, dependendo a hora do dia.

Onde será que ela está aprendendo tudo isso? Na escola? Só pode ser!! Aqui em casa não é, pois ninguém grita, ninguém joga coisas longe e eu posso jurar que nunca disse NÃO a um bom banho. 
Mas acho que ela deve ter me visto revirando os olhos para alguma chatice do marido. Só pode! 

Será que ela vai ficar assim para sempre ?
Que nada!
Trata-se de mais uma fase do desenvolvimento, onde as crianças nos testam, mais ainda do que na fase anterior, quando se jogavam no chão, choravam e  olha sóóóó - já jogavam coisas longe.

De acordo com alguns estudiosos e psicólogos, esse tipo de atitude está começando cada vez mais cedo hoje em dia, e eles atribuem essa precocidade de comportamento à mídia. Tenho lá minhas dúvidas, mas se olharmos mesmo por este lado e assistirmos qualquer uma das novelinhas infantis do SBT, vamos perceber um nível de malcriação e bullying muito grande. Eu realmente não recomendo.

As crianças lutam pela autonomia desde muito cedo, só que como não sabem lidar com a irritação e as contrariedades, muitas vezes extrapolam e excedem os limites, deixando nós, os pais, doidinhos da silva.
Mas calma. Isso também vai passar..

Algumas dicas que achei legais:

- não reaja do mesmo jeito que a criança. É difícil e na hora da raiva a gente quer mais é dar chilique mesmo. Mas tente ignorar e persuadir a criança com toda a calma.

- dê o exemplo. Não revire os olhos pra ninguém na frente "das criança"!

- mostre que não gostou e que ficou magoada com a atitude da criança. Não queira arremessar o chinelo no meio da testa dela. Ainda é cedo para isso - hehehe;

- não entre na batalha. Vire de costas, revire os olhos discretamente, respire, respire, respire, respire....

- converse com ela depois que a raiva das duas passar. E dê muito carinho depois dessa boa conversa. Esqueça tudo. Logo nos próximos três minutos vocês já se amarão novamente.

sábado, 9 de maio de 2015

Não fale com estranhos

A coisa funciona assim: você leva seu filho pequenininho ao supermercado e sente como se ele fosse a criança mais linda do mundo, tanto o encantamento que ele causa em todo mundo, não é?
É gente dando "oi", gente dando "tchau", mandando beijinho... 
E aí, "pra não ficar chato", você pega a mãozinha da criança e acena de volta. 
É ou não é?

Então seu filho cresce mais um pouco e você tem um "estralo": 
"Êpa! Filho, não fale com estranhos! Não dê tchau! Não acene!"

"Aaah, mas o velhinho pode!!"
E eu digo: "pode nada!"

"E a tiazinha, tão simpática"..
"E daí? Você a conhece? Então é estranha"...

E assim é, eu aposto, com quase todo mundo. 
Não foi diferente comigo.

Luísa é alertada e lembrada constantemente para não falar com estranhos. Nem mesmo no colégio. 
Muito menos no shopping. E em hipótese alguma, no parque.
À princípio era cuidadosa ao falar com ela, mas hoje, simplesmente apelo para o "Filha, se te levarem , não te acho nunca mais!"
É apelador e exagerado, mas prefiro assim.
Este vídeo mostra o perigo e a facilidade com que um pedófilo convence seu filho a ir com ele.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A festinha ? Sim, ela foi.

Dizem que crianças não guardam mágoas, especialmente daquelas vindas de crianças mesmo.
Fato.
Luísa foi à festa de *Jaqueline, curtiu pra caramba, adorou tudo, disse que a aniversariante estava linda e que esta não brigou com ninguém.

Dos conselhos sacaninhas de instruí-la a estragar o bolo, estourar todos os balões e até mesmo apagar a vela antes da aniversariante - este foi meu preferido - caso ela a destratasse, resolvi ouvir os mais comportados, apesar da vontade enorme de dar as dicas sacanas à ela. E Luísa se comportou como uma mocinha. Na hora de ir embora, até agradeceu a mãe da *Jaque pelo convite.

 O que achei importante na hora de decidir se ela iria ou não à festa foi:

- conversei com a professora delas. Ninguém melhor para me dizer a profundidade dessa birrinha entre elas do que a "tia". Como fui informada que a menina tinha pego a Luísa "pra cristo", então relaxei.

- relaxei mais ainda quando uma outra mãe veio me dizer que a filha também reclamava da tal de *Jaqueline, e esta, mesmo assim, iria à festa, já que, vamos falar a verdade? Criança vai em festas em buffets mais pelo ambiente do que pela aniversariante propriamente dita, certo?

- fiz questão de deixar claro à minha filha que "EU, no lugar dela, não iria à festa". Após ter percebido que ela realmente queria muito ir, achei importante conversar mais e dizer que não era para ela querer ficar brincando só com a menina, já que esta não iria conseguir brincar com todo mundo ao mesmo tempo. Pois que fosse brincar com as outras amigas.

E assim foi, minha gente! Tudo certo. Tudo belezinha. e já temos outro convite para semana que vem. Só que desta vez é festa de menino. Muito mais desenrolado. Muito menos cheio de frescurites e firulas. Afinal, picuínhas assim é bem coisa de mulher, não é mesmo ?

quinta-feira, 30 de abril de 2015

O que seu filho vai ser quando crescer ?

Aposto que você já perguntou à seu filho o que ele vai ser quando crescer. Se não perguntou, já ouviu dele mesmo ou se ainda não teve a oportunidade de perguntar, sua vez vai chegar.
Mas você já se perguntou o que VOCÊ vai ser quando o seu filho crescer? Não? Então faça melhor: pergunte à ele o que você vai ser quando ele crescer e ouça a resposta. É universal, unânime, simples, óbvia, clara e cheia de amor.

Veja o vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=8ZfAuDrGEx0


"Eu vou ser cabeleireira, manicure, pedicure, maquiadora, modelo, cantora, atriz e policial. E você? Vai ser minha mãe! " 
Luísa 7 anos



Campanha de Dia das Mães Ninho
#maeparasempre

terça-feira, 28 de abril de 2015

Levá-la à festa ou não?

Sua filha foi convidada para ir a uma festa de aniversário de uma das amiguinhas da classe. Todas as crianças da sala foram chamadas, só que tem um problema: a aniversariante não quer que sua filha vá. E então? O que você faz?

A história dessa festa já vem me atormentando há uma ou duas semanas, desde que Luísa veio me contar que *Jaqueline não era sua amiga, que era uma chata, e que esta faria uma festa de aniversário e não a convidaria. Até aí, beleza, tranquilo, tudo na paz e tudo muito óbvio pra mim. Pelo menos para mim.
Uns dois dias depois, o discurso mudou, e Luísa e Jaqueline tornaram-se amigas e desta vez, ela seria convidada para a tal festa.
Os dias se seguiram, onde uma hora as duas se entendiam - e Luísa iria na festa - e outrora nada acontecia - e Luísa não iria mais.
A ansiedade pela droga da festa foi aumentando, mas também a incerteza, até que ontem, entrando no carro, Luísa desaba:

"Mamãe, a *Jaqueline falou que não me quer na festa dela. Ela disse que vai chamar todo mundo, menos eu, porque ela não gosta de mim e não vai me dar o convite. Aí a tia disse que ou ela dá o convite pra todo mundo ou ela não dá pra ninguém. E eu queria tanto ir..."

Coisinha difícil isso de ter que orientar uma criança, não? Porque, muitas vezes, nós não podemos ser super justas e sinceras e falarmos exatamente como falaríamos a um adulto, coisas do tipo "manda ela cagar, filha, e acredite: essa festa vai ser uma porcaria. E quando chegar o seu aniversário, você não a chama e pronto!"  Tive que usar de sinceridade comedida, explicando que nem sempre somos convidadas para todas as festas e que "sim, realmente as pessoas chamam para suas festas, pessoas que gostam, e que nem todo mundo gosta da gente e que a vida é assim mesmo. Disse que ela não deveria ficar chateada por causa disso e e que SE a menina voltasse a convidá-la, ela deveria dizer que "agora quem não quer ir na sua festa sou EU, e mesmo se quisesse, minha mãe não me levaria!""

Eis que hoje, Luísa me aparece toda feliz, com a m***** do convite na mão e um sorriso gigante no rosto: "mãããeeeeee, fui convidada pra festa da *Jaqueeeeeeee!!"

E agora? Agora não sei o que fazer.
Digo à ela que pare de ser boba e que não vou levá-la à festa?
Digo que vá e arque com algum provável desaforo da menina?
Explico à ela sobre o que possivelmente possa acontecer na festa, mas que fique tranquila, brinque com outras meninas e que qualquer coisa, me telefone?
Se não a deixo ir, estaria alimentando e colaborando com uma futura inimizade?
O que você faria?

*Jaqueline é um nome fictício

sábado, 25 de abril de 2015

Mamulengo, fantoche...

Nosso mamulengo. 
Mais meu do que dela, porque fui eu que fiz. 
Na minha época era chamado de fantoche, e foi feito com meia calça velha, fita crepe, rolinho de papel higiênico, fita de cetim, lã e canetinha. 

Prova de que não é o valor que faz com que o brinquedo fique mais legal. 
Nosso mamulengo ficou feinho, mas nada valeu mais do que ver o carinho com que ela carregou a boneca e a achou linda.
Valeu, escola, pelo trabalho de casa. No começo reclamei, achei um saco, mas por fim, tivemos momentos super bacanas de criação e surpresa, quando vimos nosso boneco pronto. 
Fiz a maioria do trabalho, e quando Luísa quis desenhar os olhos, achei aquilo um desaforo - poxa! ela vai estragar a cara do boneco! - mas aí lembrei que o trabalho era dela e não meu. hehehe....
E enfim, no fim, ficou assim:



Em alguns momentos nos perdemos em tarefas, compromissos, passeios ao shopping, cinema e lanchonetes, e esquecemos que dentro de casa também há muita diversão. E o mais legal: sem gastar nada.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Sex Shop

Luísa faz dança.
Sapateado e Street.
E a escola de dança fica ao lado de um sex shop.
Dia desses, saindo da escola de dança, Luísa disse:
-"Mãe, quando é que essa loja Sex Shop vai abrir pra gente entrar?"
-"Então, filha, não sei. Mas também, aí só tem roupa feia."
-"Aaah, eu não acho!"

Que bom que a loja só expõem roupinhas na vitrine. Ufa!

Ela não ama tanto assim


Se você pensa que essa criança da foto ama praia, está enganada.
Ela não ama tanto assim.

Um pouco medrosa para entrar na água sozinha, e quase sempre sem companhia infantil para brincar, Luísa atura overdoses de praia desde pequenininha.
Mesmo sendo uma ou duas vezes por ano que viajamos, passamos tempo suficiente para o saquinho da paciência e tolerância dela se encherem, à ponto de no quarto ou quinto dia de sol, mar, calor, areia e ondas, ela soltar um "preferia estar em casa..."

Espero que um dia isso mude.
Eu era medrosa também.
Só entrava no mar com meus pezinhos sobre os pés do meu pai, para não ter que pisar na areia. Detestava pisar em coisinhas que não sabia o que era, geralmente conchinhas, pedrinhas...
E também não tinha companhia infantil para brincar.
Fui começar a viajar com uma prima, acho que com uns 10 anos de idade já. E aí as viagens passaram a ser bem mais divertidas.

Ainda não me sinto segura em levar amiguinhas em nossas viagens, mais pelo fato de ficarem poderem ficar doentes, pegarem as famosas viroses.
Se com filho da gente já é difícil, imagina com o dos outros.





quarta-feira, 11 de março de 2015

Declaração de amor


"Mãe, não é mesmo que eu sou o café com leite dessa família? Você o leite, papai o café, e eu a mistura dos dois, na cor e no sangue? Te amo. Te amo, papai!"

E eu amo mais que pizza.

Mãe que chora

Sou daquelas que chora de emoção pra tudo: um caso particular e emocionante seu, o último capítulo de novela, final de semestre no trabalho, o primeiro dia de aula da filha e desenhos infantis. Este último item é especialmente o mais profundo. Choro de me acabar e chego a passar vergonha na saída do cinema, pois sempre tenho a impressão de que só eu chorei. Pra ajudar, Lulú faz questão de chamar minha atenção, no sentido "sabia que você ia chorando de novo, mãe!".
Bom, sendo assim, já estou me preparando para me acabar no filme Cinderela, que estreia agora em março. Bora pro cinema?


sexta-feira, 6 de março de 2015

Sobre o pum

Não, não estou doida, não. Afinal de contas, quem é que não solta pum?

Tenho que confessar que A-DO-RO o grau de intimidade e confiança que há aqui em casa entre Lulú e o pai. Sim, é só entre os dois mesmo, e eu explico.
Sou muito travada com relação à isso. Ao pum. Não consigo "liberar" na frente deles. Sou daquelas que quando sai de cada não consegue ir ao banheiro e fazer o número 2, e sei que muita gente é assim também.
Já contei em algum lugar aqui no blog sobre uma viagem que fiz à Europa com uma amiga, e que se fui ao banheiro 3 x em 1 mês, foi muito. Chegava a passar mal mesmo.
Na infância e adolescência costumava competir puns com uma outra amiga e chegávamos a gravar os nossos puns nesses gravadores antiiiiiiiiigos...

destes aqui, ó!

...e era uma farra! Coisa de quem era realmente muito íntimo.

E intimidade é o que não falta aqui em casa entre os dois. Acho legal - podem dizer ÉÉÉCA! , mas eu realmente acho legal. Talvez por eu ser do jeito que sou.


Viu?! Até a Branca de neve era peidorreira!



E as princesas também!
Imagens e textos extraídos do livro "Até as Princesas soltam pum", de Illan Brenman. Ilustrações Ionit Zilberman






quarta-feira, 4 de março de 2015

Minha liberdade de escolha


"Mãe, escolhe um adesivo pra você! Só não pode ser este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este, nem este ...
E nem este..... 
Ah, e este aqui também não!"

E então me sobrou aquele lá do cantinho direito da página, tão vendo?

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

As cuecas do papai

Organização é tudo. O cuidado, o carinho, a neura que temos com relação à lavagem das roupas dos nossos filhos quando bebês são significativos. Sabão de coco, lavagem à mão, quem não fez isso? Quem tinha coragem de colocar aquelas roupas mais lindinhas na máquina de lavar? Eu não tinha! Me lembro de lavar todas as roupas da Luísa e depois deixá-las um pouquinho de molho em amaciante para bebês. Que delícia de cheirinho.

Com o passar do tempo e a criação de anticorpos, comecei a lavar as roupas dela na máquina, com sabão normal, mas sempre separadas das nossas. Continuava com o amaciante para bebês, só por causa do cheirinho. Com mais um pouco de tempo passado, tive que deixar o amaciante de lado, pois Luísa adquiriu uma alergia respiratória que me fez excluir tudo quanto era cheirinho gostoso.

Hoje as coisas são bem diferentes. Com a correria dos meus dias, por conta de horários apertados, me dou ao trabalho de separar as roupas aqui de casa por cores só, mas todas juntas: as minhas, as da Luísa e as do marido. Lavo as brancas (incluindo calcinhas e cuecas brancas)....as pretas (incluindo calcinhas e cuecas pretas)...as coloridas (incluindo calcinhas coloridas)....os panos de cozinha...os panos de chão....as toalhas e lençóis de cama...e é isso.

Só que foi Carnaval, gente!!! Época de tirar as fantasias da Lulú do guarda roupas e botar pra sambar: na escola e no Sesc. O problema foi na hora de lavá-las! Com a correria dos meus dias, por conta de horários apertados, coloquei a capa de Elsa (Frozen) na máquina de lavar, junto com algumas outras peças coloridas. Misturei também umas cuecas brancas e pretas do marido, umas calcinhas minhas e uma bermudinha jeans. O resultado foi catastrófico!!! Ficou tudo brilhante! Tudo com glitter! A bernudinha, as calcinhas, as peças coloridas e as cuecas do papai. E não é pouco glitter, não. É muito glitter!

Umas cinco cuecas com glitter enfeitam a gaveta dele.
E ele, ó:


Ficou felizão comigo....
Agora vou lá escovar as roupas todas...





quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Primeiras provas

Já faz mais de dez minutos que Lulú está assim: diz que estudando matemática.




Sempre disse que gostaria muito que Luísa puxasse o pai no quesito gostar de estudar, pois eu aqui nunca fui fã. E agorinha mesmo, saio do banho e me deparo com a cena acima: Sssshhhhhh....tô estudando matemática, mãe...

Só agora, no segundo ano do ensino fundamental é que ela vai começar a ter provas e paira no ar uma mistura de ansiedade e medo. Sei lá quem colocou isso nela: uma amiguinha que tem irmão mais velho, uma professora, não sei. O que importa é que acho que estou conseguindo tranquilizá-la e fazer com que se empolgue.

Esse cantinho da foto está super improvisado - por ela, claro! Meu objetivo é trocar a TV de lugar, comprar uma cadeira roxa que ela tanto quer, uma luminária bem fofa e liberar um espaço bom nesse canto para que ela ame ficar aí.
Encontrei umas ideias de cantinhos de estudo e divido aqui com vocês.
Estou me inspirando.





Não vejo a hora.

E no Carnaval o que é que teve?

Teve folia e maracatu, teve almoço em família, teve um dia de piscina, teve cineminha e teve um dia inteirinho de preguiça.




quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Muito mais para o seu bebê


Agradeço à JOHNSON´S pelo convite para o Lançamento global de sua nova tagline 
"Muito mais para o seu bebê". 
#somuchmore


O evento aconteceu simultaneamente em 7 países - Estados Unidos, Brasil (hoje, no terraço do JK Iguatemi, em São Paulo), Reino Unido Arábia Saudita, Índia, China e Filipinas, e contou com a participação de alguns especialistas da marca.

Desde que nascem, os bebês precisam de carinho e cuidado, precisam do toque dos pais, que lhes passa segurança, intimidade e amor. Do contato pele a pele. A hora do banho deve ser um ritual de conhecimento e vínculo. Seria ótimo se os PAIS pudessem participar mais deste momento, pois 95% dos banhos são dados por MÃES. Não chego a dizer que posso contar nos dedos as vezes que meu marido se envolveu na hora do banho da Luísa, mas posso afirmar que este momento é mais nosso - meu e dela - do que deles dois.
Por outro lado, posso dizer que Luísa é embalada no sono quase todas as noites com o toque do pai: ela dorme com massagem nos pés. Isso a acalma e, vem cá: meu marido é craque na técnica. Juntou as mãos, um óleo de massagem ou um hidratante e pode-se contar dez minutos pra pequena estar dormindo relaxadamente.

Ganhamos um kit com todos estes produtos JOHNSON`S e mais uma bolsa super prática que pode ser usada como trocador.
Obrigada JOHNSON´S, por realmente se importar com a opinião das mães. 




quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

E por falar em malandragem...

Ontem no jantar, Luísa me pegou de surpresa com uma pergunta que, digamos, tive que pensar pra responder:
-"Mamãe, você já mentiu?"

Dei aquela enroladinha básica, aquela que nos dá tempo de pensar em segundos:
-"Se eu já menti, filha? Já sim."
-"Por que?"

Então lembrei-me de uma dica muito legal da Mônica, quando escrevi sobre como contar a verdade à respeito do Papai Noel:

-"Ah, filha. Às vezes mentimos pra fazer alguma surpresa. Lembra de como já fiz com você? Surpresaaaa!! Era brincadeira!!! É isso."
-"Ah!" 

-" Mas por que tá me perguntando isso? Você já mentiu?

E aí, a malandragem.
Com os dedinhos fazendo aquele gesto de quantidade - todos juntos batendo as pontinhas - ela diz:

-"Muitas vezes. Agora mesmo, falei que tinha escovado os dentes, mas menti. Mas foi só pra não te deixar triste."

Agora, vamos começar a lição tudo otraveiz...

*
*
À respeito da mentira, sabemos que o assunto é muito mais complexo que o simples motivo que dei à ela. Mas na minha opinião, por hora está bom. É como a criança perguntar sobre sexo. Para a idade dela, responderia simplesmente o necessário, sem grandes detalhes e complexidades. No momento certo ficarei feliz em explicar tintim por tintim sobre tudo o que ela me perguntar. E este momento certo, quem saberá quando será somos só nós aqui de casa. Né?  

sábado, 31 de janeiro de 2015

Falando a verdade sobre as férias

"Férias é tudo de bom". Quer frase mais clichê que esta e que todo mundo concorda?
Bem. É sobre isso que quero falar.

Começo de férias é aquela empolgação. A primeira segunda-feira sem obrigações é sempre a melhor segunda -feira do ano todo. A gente acorda animada até pra fazer a faxina da casa. Faz planos para o mês inteiro, que inclui cinema, parques, bicicleta, casa da vó, shopping, uma viagenzinha, amigas em casa, TV, piscina, etc... quase que não cabe no tempo. Driblamos os horários, comemos além da conta, e fazemos coisas que nunca seriam possíveis em épocas de labuta. Primeira semana, segunda...e aí chega a terceira semana, e é quando as coisas começam a mudar um pouquinho. A preguiça toma conta do nosso corpo. A paciência já não é mais a mesma. Brincar de Barbies e Pollys passa a ser um saco e pensar em entrar no carro e dirigir-se a um parque, nem morta: só se for depois das 7 da noite, quando o sol e o calor já diminuíram. E aí você começa a pedir que seu filho te chame de tia, porque não aguenta mais ouvir a palavra mããããããeeeeen e começa também a rezar para que a quarta semana passe voando.

Sou professora e minhas férias coincidem com as da Luísa. Isso é muito legal visto de um lado, mas por outro, sabe o que significa? Que eu não descanso nadinha. Atualmente, não me parece estranho dizer que uma mãe se cansa de um filho. Aliás, isso é a mais pura e possível verdade. Me dê uma rasteira quem achar que isso é absurdo e que nunca se sentiu assim.
Quando ficamos longe por um período, podemos descansar, mudar o foco, o assunto, mas se estamos juntos o tempo todo, tendemos a nos cansar, a nos estressar, a enjoar. Confere? Vamos lá: acordamos juntas, tomamos café da manhã juntas. Enquanto cozinho, ela brinca ou vê TV, mas sempre nos comunicando; uma parada com o arroz para ver o filme que vai passar,uma brincadeira nova que ela inventou ou até mesmo a roupa que ela escolheu pra colocar. *"Mããããããeeeen, me checa?!". Almoçamos juntas, planejamos nosso dia juntas, vamos à padaria, ao mercado, ao banco   **(oi? em que mundo você vive, Fernanda?). Saímos e voltamos juntas. E quando papai chega em casa, que eu penso que vou ter cinco minutos de tempo livre para tomar um banho em silêncio, ela grita: "Manhêêê, vem aqui!! Quer brincar comigo?"
Alguém se identifica?
E então eu grito, faço cara de má vontade, brinco sem querer brincar, brigo, brigo com o marido ... fico querendo sumir! Até minha filha fazer cara de coitada. Aí eu me arrependo. Coloco a cabeça pra pensar e lembro de tudo aquilo que li em blogs, na internet, nas revistas, sobre não gritar, não estressar.. e começo tudo de novo, na santa paz, até o próximo Mããããããããeeen manhoso ou teimoso.

Finalmente, semana que vem voltamos à nossa rotina de aulas; elas com as dela e eu com as minhas.
E juntas.  Porque férias nem sempre é TUDO de bom, mas com certeza esperaremos ansiosamente por nossas próximas.


* "Mããããããeeeen, me checa?!"
Expressão usada por Luísa, solicitando minha presença no banheiro, a fim de checar se ela limpou o bumbum direito ou não.

**oi? em que mundo você vive, Fernanda?
Tenho uma amiga que diz: "Minha nossa, Fer, você ainda vai ao banco, nos dias de hoje!!"
Sim, gente, eu vou sempre ao banco, para efetuar depósitos somente. As outras transações eu já consigo fazer aqui de casa mesmo. rsrss..

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Lenta sobre a água

Há tempos eu espalho por aí que com o pico hormonal que Luísa teve aos três anos e meio de idade, aprendi que devemos evitar dar água de garrafinha plástica para as crianças. Na verdade devemos todos evitar. O assunto sobre o Bisfenol A já foi bastante batido em blogs, revistas e em outros meios de comunicação, mas para quem ainda não sabe, o Bisfenol A, que também é identificado pela sigla BPA, é um composto do plástico que é tóxico para os seres vivos, se misturando no sangue e comportando-se como se fosse um hormônio do próprio organismo, causando assim disfunções graves no metabolismo. Leia mais aqui.

Não que eu nunca dê água de garrafinha pra Luísa, mas sinceramente, evito. Ou melhor dizendo, PENSAVA QUE EVITAVA. Sabe por que, gente? Porque eu estava simplesmente usando garrafas de água plástica usadas - por nós mesmos, por meu marido que trabalha e compra água de garrafa plástica - para abastecer nossa geladeira e ter muita água gelada pra beber com esse calor todo que tem feito.

Eis então, que minha prima posta o seguinte no Facebook: 


E foi aí, só aí, que me dei conta da burrada que estava fazendo.
Como pude me distrair disso? Tão informativa! Tão contadora da novidade! Lenta!

Bom, pra resumir, exterminei as garrafas plásticas da geladeira para o dia a dia e mantive algumas garrafinhas escondidas, para casos tipo passeios em parques que não possuem bebedouros e viagens de carro. Comprei garrafas de vidro e enchi a geladeira. Assim, água gelada e saudável  não vai faltar. 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Sobre a alimentação

Lembro como se fosse hoje da primeira vez que Lulú comeu um abacate.
Um abacate inteiro.
E ela tinha só 6 meses, acho.
Lembro de ter perguntado ao pediatra na época, se era normal aquela quantidade toda e se eu realmente podia seguir a vontade - ou a fome dela, sei lá - de comer o abacate inteiro.
E como a resposta foi:
 "...prefiro que você dê meio abacate e meio mamão...", eu continuei dando o abacate inteiro.
Luísa, hoje, não come mais abacate.
Detesta abacate por sinal.

Luísa, quando bebê, adorava suco de laranja lima.
Hoje, quando ofereço suco de laranja à ela, o suco creeeesce na boca.

Por outro lado, existem vários alimentos que ela simplesmente recusava, e que hoje estão muito presentes. A cenoura, por exemplo.
Pensa numa criança que come muuuuita cenoura...
E, finalmente, vagem, brócolis e couve-flor sempre estiveram por aqui. E muito.

Quero chegar no seguinte ponto: naquele que a gente já ouviu pelo menos uma vez na vida, e que é a mais pura verdade: o paladar da criançada muda, gente. Por isso a importância de oferecer alimentos extremamente saudáveis à elas quando pequenas. Cará, inhame, batata doce, espinafre, agrião...

Com o tempo, elas vão descobrindo as grandes e maravilhosas porcarias da vida - azeitona, refrigerantes, sorvetes, balas - que acabam atrapalhando muito o andar da vida saudável. e aí, minha amiga prepare-se para aquilo que muita gente chama: guerra na hora da jantaaaa!!

Muitas que leem meu blog sabem que não sou uma pessoa radical em nada, e claro que gostaria que minha filha comesse somente coisas boas, mas a realidade não confere. Luísa acabou de vir aqui perto e meu pediu um Mc. Hunf! "Hoje ainda é quarta, minha filha! Tem arroz, carninha e salada na geladeira, quer?"

Libero um Mc à ela em alguns finais de semana, e juro que é só em alguns mesmo. Mas com a consciência tranquila de que grande parte do que ela come é de boa qualidade.



Não é tão simples assim colocar uma TV no quarto da criança

Depois de muita insistência e vencidos pelo fato de quase nunca podermos assistir aos nossos programas sem um bico, um choro sequer, compramos uma TV para o quarto da Lulú.

À princípio minha ideia era nunca ter duas TVs em casa, para evitar que ficássemos separados aqui dentro. Mas isso me foi humanamente impossível. Acabei alienada de tudo: notícias, novelas, receitinhas e principalmente, daquele contato com meu marido e minha filha diante da TV. Cansei de ver Peppa (sim, ela ainda curte Peppa!), Violetta, Chiquititas e todo o Disney Channel (me desculpe! não é nada pessoal!)

Só que comprar uma TV não é tão simples assim. Você tem que pensar em tudo: desde o lugar onde ela ficará até nas tomadas disponíveis. 

Para colocarmos a tal TV, foi necessário somente isso:

Uma baguncinha e uma sujeirinha em outros cômodos da casa...

...uma cirurgia na parede do MEU QUARTO...

...e finalmente, um rombo na parede do quarto dela, com direito a muito pó, muita sujeira e muitos espirros.

Se valeu a pena? Sim, claro.
Se vai rolar um stress por causa dela nos dias de semana? Claro, né?
Mas ela ficou super feliz, e só por isso já valeu. 
Agora depende de mim, como ABSOLUTAMENTE TUDO nessa vida de mãe, fazê-la cumprir as regras, sem tanto chororô.


Lenço umedecido


Além das muitas utilidades que um lenço umedecido oferece - vou listar algumas  -  vocês sabiam que eles são ótimos para limpar manchas nas paredes? Mãozinhas sujas, marcas de móveis, comida, o lenço umedecido é excelente e o melhor: não deixa manchas.

Aqui em casa as paredes vivem sujas de dedinhos de batom, mosquitinhos esmagados, pezinhos e as mais simples marcas do dia a dia mesmo. Não tem nada como pegar um lencinho. Nem força você faz. Experimente.

Algumas outras utilidades dos lenços são:
remover a maquiagem do rosto e dos olhos. Aqueles rastros de lápis e rímel no dia seguinte, ninguém merece;

manchas de tinta de cabelo que ficam no rosto, nos ombros, na voltinha das orelhas...

limpar os pezinhos e mãozinhas das crianças quando chegamos tarde e com elas dormindo em casa;

limpar brinquedos...

Enfim, praticamente mil e duas utilidades.

 

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Pressão em cima de pressão

Desde criança já tem ideia fixa na cabeça.
A bichinha encasquetou mesmo. Socorro!

Desenho do dia. Mais um de vários. 



sábado, 17 de janeiro de 2015

Passeio frustrado

Você leva a criança para um passeio SUPER legal, achando que ela vai ADORAR dar pão para peixinhos, mas olha só o que acontece.
A cara da alegria.

domingo, 11 de janeiro de 2015

Demorou, mas finalmente ele apareceu!


O primeiro dente da frente da Luísa, tecnicamente conhecido como inciso central, caiu no início do mês de outubro e até semana passada seu dentinho permanente substituto não havia apontado. 
Essa demora estava me deixando preocupada, até que "tcharãmmmmm":


Ele apontou!!!



Fiz algumas pesquisas e descobri que, um: o dente permanente nasce rapidinho quando ele já está prontinho e então este aproveita a gengiva aberta; dois: ele demora entre 1, 2 e até 6 meses pra nascer quando a gengiva cicatriza e fica fibrosa e grossa, dificultando a passagem dele.

Para um dente nascer, é necessário que ele tenha dois terços de raiz formada e que tenha espaço para ele se estabelecer.

Portanto, mães, a informação é a mesma para quase todas as questões de desenvolvimento: cada criança tem seu tempo. É sempre bom e recomendado o acompanhamento de um ortodontista, mas nada de pânico, caso o dentão demore a aparecer.






sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Stand up

E eu que achava que fazer stand up paddle era difícil. Que nada!



Ontem tivemos um dia super delicioso, aqui pertinho. Um lugar chamado São Francisco Sailing Club, especializado em esportes náuticos, como vela, stand up e caiaque e que fica logo ali na Represa de Itupararanga. A segurança do local é incrível, levando em conta que Luísa já sabe nadar, é claro.

Além da represa, o lugar tem um deck bem bonito com restaurante - que oferece porções e lanches - , muitas árvores com redes e um instrutor super legal. Vale super a pena uma visita de dia inteiro. Programaço para as férias com a família.



Sem contar que Luísa vem me surpreendendo a cada dia. Nada feito um peixinho, o que me faz ter certeza que a natação foi meu melhor investimento até agora, não só pela parte física do esporte, mas pela segurança que isso me deu.
Agora sou eu que vou ficar de ponta cabeça nesse tróço!

-"Ô mãe, agora eu quero ir num caiaque só de um!"


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

E num arquivo de computador

Fazendo uma limpeza de arquivos em nosso computador, encontro um texto com o seguinte título:

"frozen uma aventura de jelo e amor na praia e maquiagem e maleta de poder e brilho"

O texto dizia:

"Era   uma  vez   uma   linda   noite     numa   cidade   grande  vivia uma  família    linda   e  grande  com   duas  meninas  a  nova   tinha  15  anos     ea  mais velia tinha  20  anos     um  dia   a manhe  eo  pai  resolveran   sair   a  mais  velia  falou   podemos   ir  também  disse  violetta     a  maen  disse    as  meninas  sim  elas agradecerran    SAIRAM"

É Lulú iniciando seus trabalhos como escritora.
Obs.: Não alterei nada do texto original. Nem palavras, nem espaços ou pontuação.