Pesquisar este blog

domingo, 29 de dezembro de 2013

Venha férias. Venha 2014.

O que fazer em Morro de São Paulo com crianças?
Nadar, mergulhar, jogar bola. ver peixinhos, passear de barco, comer e beber, dormir na canga sob o guarda-sol, claro!

Amanhã estaremos aí, ó!
Pela terceira vez na vida, Luísa segue para Morro de São Paulo.

Na volta conto tudo o que fizemos por lá, e volto com um texto sobre primos, avós e crianças mais velhas que a minha, que por conta da arrumação das malas, não consegui terminar.
Beijos e um 2014 cheio de realizações.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

As trufas

O que antes não era um problema aqui em casa, hoje se tornou uma preocupação: doces e chocolates. Luísa descobriu, definitivamente, o que é um BIS, uma trufa, uma bolacha waffer...

Foi-se o tempo que eu dizia de boca e ego cheios de orgulho que "Luísa não gosta de doces", e hoje, até ela reconhece que "agora eu gosto, né, mãe".
Levarei em conta a época do ano, em que todos nós ganhamos doces e chocolates em excesso, comemos em excesso e exageramos em tudo. Até nas frutas! E que essa fase vai passar, vai se acabar após as festas, mesmo porque, não costumo ter doces e bolachas estocados em casa nunca. Mas que isso me preocupa, eu não posso negar, já que a família não é de gente magrinha, nem de um lado e muito menos do outro.

E como tenho feito com essa nova situação? Bom, tenho proibido!
Luísa ganhou uma maldita linda mochilinha cheia de trufas que, por ela, seriam devoradas numa sentada. E cá entre nós, eu nunca teria ideia de dar à uma criança de 6 anos uma mochilinha cheia de trufas! Mas enfim, ganhou, viu que era bom e queria comê-las todas de uma vez. Proibi! Simples assim!
Acho que exagerar em maçãs não é uma boa, mas em chocolates?
Inaceitável por aqui.
***

Momento contradição:
Hoje, almoço de Natal, bem que deixei Luísa exagerar no sorvete. Ela deve ter chupado, por baixo, uns oito picolés. Mas foi pura exceção.



Recadinhos por escrito

Luísa não escreve nem lê ainda, mas reconhece todas as letras há tempos (por puro prazer e curiosidade, vale lembrar!) e ainda se arrisca em escrever palavras.
Dia desses, teimando comigo sobre algo que queria e eu não queria, ela me deixou um recado na lousa que fica pendurada na porta de seu quarto:

MAMÃE CATA

Até aquele momento eu estava sendo realmente chata com ela, mas depois do recado, e de uma "cenazinha", enchi ela de beijos e cosquinhas!
Pena que não fotografei!

Sobre presentes

Ceia na mesa, família reunida e criançada louca para abrir os presentes.

Mesmo não sendo mais criança e não ganhando mais tantos presentes de Natal, me sinto feliz, ansiosa e deliciada com os presentes que Luísa ganha. Como é bom!

O gostoso de ser mãe de menina é que a sua filha acaba ganhando coisas que você adora, e que dá vontade de se reunir com as primas (mais velhas e mães, claro!) e brincar. Mandar a criança para a casa da amiguinha, ou da avó, e brincar com todos os brinquedos novos dela, sem interrupções, sem "desmanches" ou interferências! Hahahahhaha....Um dia eu faço isso!
Hoje mesmo, montamos colares e pulseiras de miçangas coloridas! Ontem pintamos um tapete de amarelinha com giz de cera. E escondida dela, colei sozinha adesivos no novo livro de fadas. Ô delícia!

E aconteceu ontem também: tio pastor orando antes da entrega dos presentes, dizendo que Papai Noel existe sim, e está no coração de cada criança, quando Luísa cochicha:
- O Victor mentiu pra mim!!
(a mãe do amiguinho da escola, disse a ele que Papai Noel não existe e que quem compra os presentes de Natal é ela mesma!)
Luísa ficou chocada. E eu mudei de assunto...






One more tooth has gone...

Mais um dentinho caiu e eu continuo me emocionando, como se fosse meu dente!! (e não deixa de ser...)
Tenho a sensação inversa: parece que cada dentinho que cai, Luísa se torna mais criança para mim.
Talvez seja culpa das "janelinhas", coisa de infância, a Fada dos Dentes!
Luísa fica alucinada quando acorda e vê que o dente se foi e restaram as moedinhas.


Mais uma mudança

Resumindo nosso ano de 2013, podemos dizer que chegamos ao fim com um saldo bem positivo. Marido trabalhando sem muita agenda disponível, eu que voltei à um antigo trabalho na escola, Luísa formada, e nossas férias de fim de ano garantidas.

Por conta desse meu novo "antigo" trabalho, Luísa irá mudar de escola mais uma vez, e apesar das mudanças serem sempre boas e bem vindas, isso me preocupa e me corta o coração.
Durante dois anos de escola, Luísa e eu fizemos um grupo muito bom de mães e crianças amigas e companheiras, que andam sempre juntas. Festas, passeios, parques e noitadas fora, e por mais que a gente tente nos manter unidas, sabemos que o dia a dia acaba sendo corrido, o assunto e atividades se tornam outros e a distância aparece. Luísa gosta muito das meninas e nós mães nos divertimos um bocado.

Voltei a dar aulas de inglês e com isso, Luísa tem 100% de bolsa garantida para o primeiro ano, o que torna incoerente eu continuar pagando outra escola, já que as duas são excelentes. Minha preocupação maior são com as tantas mudanças: primeiro ano, escola nova, sem fase de adaptação, meio período...

Luísa não é daquelas crianças que largam da mão da mãe e saem correndo em direção à outras crianças para brincar. Ela é tímida, e leva-se um tempo para que se enturme. E esses dias, conversando - sondando mesmo! - com algumas alunas minhas sobre seus primeiros dia de escola, todas me disseram que "não foi legal, teacher!", e então meu coração se parte mais ainda.

Não me lembro do meu primeiro dia de escola, mas sei que fácil não foi.
Gente nova, professora nova, ambiente novo, lições de casa, tudo isso nos leva a uma ansiedade, uma expectativa, que gostoso não é, mas contribui, certamente, para um grande crescimento. É um grande salto.

Tenho certeza que Luísa tirará de letra. Como sempre fez com tudo. Claro que isso gera em mim uma preocupação, afinal de contas, sou eu que vou ter que abraçá-la, tranquilizá-la, explicar à ela que teremos que enfrentar desafios a vida toda, e a mudança de escola, de amigos, só vai somar aos que ela já tem.
Força na peruca, mamãe!

domingo, 8 de dezembro de 2013

O dedo do meio

Muitas vezes aprendemos coisas" feias" na ingenuidade.
Uma vez Luísa aprendeu a palavra "preconceito" porque "notou" que a amiguinha da escola era negra.
Leia o post aqui.

Esses dias Luísa chegou em casa chateada porque tinha ido para a diretoria. Hunf!

-"Mamãe, só porque eu mostrei o dedo do meio pro meu amigo, a tia me mandou pra diretoria".

Percebi a carinha de ponto de interrogação dela, e por isso a enchi de perguntas:

-"Eu não sei, mamãe! Eu chamei meu amigo e falei "olha, amigo!" e ele chamou a tia e disse que eu tava mostrando o dedo do meu pra ele!"
-"Eu não entendo porque a gente tem cinco dedos na mão e não pode mostrar o do meio!"

Ou seja, para mim ficou realmente claro que ela não fez por mal e nem sabia o significado do gesto.
Expliquei que aquilo é um gesto feio e maldoso e que geralmente as pessoas o fazem para desejar o mal, portanto, é melhor não fazê-lo.




As festas

Como diz a nova gíria popular, "SÓ JESUS NA CAUSA" para me ajudar a resolver todas as coisas de final de ano.
Formatura da pequena (foi linda!), festa de fim de ano da escola, aniversário, roupa da festa, roupa do "parabéns" (aliás, tô pra pegar qual das amiguinhas dela que começou com essa história de trocar de roupa na hora do PARABÉNS! Na minha época era só a festa de 15 anos que tinha uma frescura toda! A de 6 não tinha nada de mais!)

E por falar em festas, este ano optamos por fazer a festa da Lulú em um buffet, porque ela nos pediu.
Vou explicar isso: não é que nós fazemos tudo que ela pede, mas eu e meu marido havíamos combinado que faríamos festa em buffet somente quando ELA PEDISSE! Até então sempre fizemos na casa da vó ou no salão de casa mesmo, por achar que o número de crianças era sempre pequeno para que pagássemos uma festa num buffet. Como as crianças cresceram, começaram a participar mais das festas, a turminha de amigos da escola dela é grande e ELA NOS PEDIU, então vamos cumprir o nosso combinado: a festa será num buffet. Pelo menos assim tomo um fôlego para organizar a próxima festa: a de sete anos. (Sou bem louca assim mesmo! Nem passou a de seis e já estou com a cabeça na de sete. E depois não quero pirar!).

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A "manguelinha" e as cerejas frescas

Não sei se já contei aqui sobre quando a primeira amiguinha da Luísa perdeu seu primeiro dentinho de leite. Foi um drama. Luísa chorou inconsolavelmente por não ter sido ela a primeira da turminha a perder um dente.

-"Mamãe, agora eu sou a mais nova "manguelinha" da escola!"

**************

Preparamos tudo para receber a fada dos dentes aquela noite....

Travesseirinho da fada dos dentes by Estéfi Machado
"Toothfairy Pillow"

Olha o dentinho...

...e no dia seguinte, fomos secar. Ela realmente havia passado por aqui! Uhuuuuuu!!!!
Ganhamos dela uma nota de R$ 5,00 (marido não tinha moedas na carteira!!!), e quando perguntei à Luísa o que faríamos com o dinheiro, ela respondeu:
-"Vamos gastar, mamãe. Vamos comprar cerejas frescas e jabuticabas".
"We´re going to spend the money with fresh cherries!!"

 É como disse um irmão meu: "pelo visto fizemos um ótimo trabalho com as crianças, hein?"
"Sounds like we did something right in raising our children"

terça-feira, 19 de novembro de 2013

A metamorfose

Tão bonitinho o projeto que a escola da Lú desenvolveu com eles! Observaram o desenvolvimento de uma borboleta. E Luísa ficou fascinada.
Tudo bem que ela é uma criança medrosa e não gosta de colocar as mãos em nenhum bichinho, mas mesmo assim, se encantou.

Não, esta não é a mãozinha da Lulú



Ela se contentou em segurar a caixa



sábado, 16 de novembro de 2013

Mais uma sobre fases

Nesse mundo, não são só os maridos que praticamente só mudam de endereço, não. Os filhos também. Só que estes últimos passam por diferentes fases, mudam de comportamento, evoluem.... Mas as idades sempre se coincidem. Querem ver? Compare sua filha com a minha.

Luísa - quase 6 anos de idade.
Teimosa, e muitas vezes se faz de surda.

-"Filha?"
-"..."
-"Lú?"
-"..."
-"Amooore?"
-"..."
-"Luuuuuuííísaaaaa"
-"..."
-"Lúúúúúúúúúúúú............". Este bem alto e irritado.
-"O quêêêê..."

Desafiadora, testa até onde pode ir, sem que ouça um tom de voz mais alto e sério.
Insistente, ela pede para ouvir no mínimo três vezes a mesma coisa, até que desista do que está fazendo:

-"Luísa, não faça isso!"
-"Mas, mãe..."
-"Eu disse não!"
-"Mãe, eu..."
-"Lú, por favor!"
-"Eu só quero..."
-"Nããããoooo.......". Este bem alto e irritado.
-"Tá."

Choroooona! Tudo o que pede fora de casa, pede chorando, só para dar aos outros a impressão de que é sempre chata.
E dramática!!!
Ahhhh, esta é a mais nova mania por aqui!!!
Imaginem todas os exemplos abaixo sendo ditos aos prantos e no tom mais dramático possível:

-"Mas, mãe!!!! Eu queeeeeeero aquele esmalte azul marinho brilhante, mãe! Eu não tenho neeeeeeenhum daquele e eu me apaixonei por ele! Cooooooompra pra mim, mãe!! Por favoooorrrr!"
Acreditem. Ela usou a frase "me apaixonei"...

-"Mas, mãe!!!! Você não comprou naaaaaada pra mim ainda. Só aquela sandáááália (da Pampili, de R$ 115,00). E você comprou aquele bluuuuuush pra vocêêê.....  Eu quero alguma coisa tambéééémmmm!!" 

-"Eu só queriiiiiia brincar com você, mas tudo bem!!! Você não queeeeeer mais que eu seeeeeja sua filha..."
Juro que nunca fiz nenhum drama parecido com isso...

E sai de perto, me deixa falando sozinha, bate o pé, se joga na cama, se enrola no edredom e diz que não quer ouvir mais nada. Só porque foi contrariada.

E se enfeita, se fantasia, usa meus batons, passa esmalte e protetor solar, dança em frente ao espelho, usa peruca e se acha.

E brinca de professora e tem seus alunos imaginários. Brinca de "mamãe e filhinha", cuida perfeitamente dos bebês, dá mamá no peito e coloca-os pra dormir carinhosamente.
Enfim...
Fases.
Eu me canso, me irrito, eu brinco e me divirto. Definitivamente, eu me divirto.
Do perrengue que pode se tornar um simples passeio ao shopping, no final eu sempre me divirto.
E você? Consegue enxergar, no fim do dia, num drama, num choro ou numa desobediência, uma piada, uma alegria? Se não consegue, tente. Trata-se apenas de uma fase e de um aprendizado. Divirta-se!








Mamãe, me conta uma história?

Sabe por quê Luísa prefere mil vezes que eu conte histórias para ela dormir ?

Porque o pai, simplesmente, não dá conta.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Na Trilha de Oz


Tudo bem que o sábado não estava muito convidativo para uma trilha, já que o calor era demais e a preguiça, grande. Mas a vontade de levar Luísa para um programa diferente falou mais alto e nada como uma dose a mais de protetor solar para nos fazer encarar o espetáculo "Na trilha de Oz", no Parque da Biquinha. E valeu a pena.
A peça da Cia. Teatral Mistura de Gente se passa pelas trilhas do parque ecológico, o que nos garante belos cenários. 

Mas vale a dica: 
como a  peça tem duas horas de duração, invista em roupas confortáveis, protetor solar, boné e uma garrafinha de água.

O visual é incrível e os atores se misturam com o público, o que faz com que seja impossível não se encantar. 


Seguimos os atores em procissão

Todo mundo animado, apesar do calor

Doroti encontra Glinda, a Bruxa do Norte



O espantalho

O homem de lata

A Bruxa Má



Quando encontram o Mágico de Oz.

O espetáculo acontece até dia 15 de dezembro, aos sábados e domingos às 14:30h.
Eu e Luísa recomendamos.


  




segunda-feira, 4 de novembro de 2013

E antes de dormir...

Colocando Luísa para dormir, deito-me com ela e aproveito para fazer um carinhozinho, contar uma história curta e dizer algumas palavras gostosas - "tenha uma linda noite, com lindos sonhos. Te amo". Dou-lhe um beijo de boa noite e escuto:
-"Mamãe, tem uma ramela no seu olho. Péra que vou tirar. Pronto. Boa noite."
Boa noite.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Ensina seu filho a ser um cagão e verás...

Hoje tive um daqueles dias chatos de pronto-socorro. Luísa vomitando, com dor de barriga e cabeça, e mesmo já sabendo qual seria o tratamento - muita água, Gatorade, Floratil, Dramim - resolvi levá-la ao hospital. Vá quê, né?

Quem nos atendeu foi um médico muito simpático, senhor atencioso e irritado com a pressão de alguma superintendente - a doutora queria que ele agilizasse os atendimentos, sendo mais rápido nas consultas. Me disse: "não tô tratando de bicho!". Adorei. Ponto para ele!

Terminada a consulta, Luísa foi encaminhada à sala de soro, para que fosse medicada e liberada. Nisso, chega uma mulher, mãe de um menino cheio de pique e impaciência, que corria de um lado para o outro, subia nas cadeiras e tomava uns tapas de vez em quando:
-"Moleque, você quer tomar uma injeção DAQUELAS, com agulha DESSE TAMANHO, aqui ó?", mostrando a veia do braço de onde se tira sangue.
Luísa, que já sabia que iria tomar soro, ficou com os olhinhos arregalados e se encolheu todinha, tadinha.

Pior que isso, só aquela do BICHÃO NO ESCURO, fala sério...

*

Sou daquelas que experimenta xarope antes de dar à filha e sou daquelas que não inventa: se é ruim, é ruim, se é bom, é bom e ponto. Não tem que inventar! Se a injeção dói, dói. Fazer o quê! Tem que tomar pra sarar e ponto. E o BICHÃO? Só se for um baratão...


... DESSE tamanho!





segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Sumida daqui, atarefada daqui

Ando sumida do blog, mas é por uma boa causa.
Devido ao grande número de pedidos de docinhos e bolos cenográficos e não cenográficos - ando me arriscando a cobrir bolo de verdade de pasta americana (e tem dado certo!! - sumi sim, mas para dar um pouco de atenção à Luísa. Ando me cobrando e me culpando horrores, achando que está faltando atenção à ela. Num desses dias de culpa, pergunto à ela:
-"Filha, você me acha uma boa mãe? Acha que eu te dou amor e carinho? Atenção?"

Vê se isso é coisa de se perguntar à uma criança de quase 6 anos?
A resposta foi positiva à todas as perguntas anteriores.
Quando resolvi ir mais à fundo no meu chororô e perguntar à ela se estava faltando algo na vida dela, então veio a bomba:
-"Sim, mamãe. Um irmão!"

*
*

Olhem aqui minhas reinações na cozinha:

Fiz o bolo de noiva de uma amiga querida

Fiz o bolo de Minnie para a festinha de uma priminha

Fiz os cupcakes da Minnie

Fiz uns cupcakes de fantasminhas para o Halloween de uma amiga

Fiz o bolo de verdade, coberto com pasta americana.

E para o final de semana, fiz um Red Velvet trufado para o almoço.

Esta semana quero descanso da cozinha, e prometo aparecer mais por aqui.







quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Dia dos professores

E no dia dos professores, é claro que eu ganhei um presente.
Um presentão!
O melhor de todos.

Minha filha acordou, abriu os olhinhos, me deu um abração e disse:
-"Já que hoje é dia dos professores, eu não quero ir pra escola. Quero ficar com a minha melhor professora."

Ganhou o dia.
Ganhou a mãe.
Ganhou a folga da escola. Muitos beijos.
E um óculos de grau "fake" que tanto queria!!


segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Dia de Nossa Senhora, das crianças, de João e Maria..quanto doce!

Dia 12 de outubro: Dia das Crianças. E nosso saldo de um passeio de uma hora no shopping foi de 7 pirulitos, 2 pacotões de balas e 2 algodões doces, afinal, hoje é dia de João e Maria, e não de Nossa Senhora. Quanto doce!
*
*
Passamos o dia juntas. Marido estava em curso e por isso só almoçamos com ele.
Demos uma passadinha no Sesc, onde haviam várias atividades e oficinas acontecendo ao mesmo tempo, mas o que Luísa quis mesmo foi deitar-se no chão da biblioteca e ler um gibi.

Em busca de qualquer outra programação, mais tarde, paramos em uma loja de departamentos, onde haviam duas princesas na porta principal, dando adivinhem o quê? Balas! Luísa quis tirar fotos com as duas, e, assim que entramos no carro, ela observou que "nunca tinha visto a Branca de Neve usando aparelho (nos dentes) antes". Achei o máximo!

Havíamos combinado com ela que não daríamos presente no dia das crianças. Em troca a promessa de um dia super legal e animado, cheio de atividades. O que consegui cumprir? O dia legal. Como tivemos que ir à uma livraria para comprar alguns presentes de aniversário, acabei comprando um livro com estêncil para ela desenhar. Foi diversão firmada e garantida por mais ou menos...........................10 minutos! A atividade acabou sendo um pouco complicada para ela, e por isso, desanimadora. Se não prendemos a folha de estêncil, ela acaba andando no papel, e o desenho acaba torto. Enfim, guardemos para mais tarde.
*
*
E só para completar, quando disse à ela que não daríamos presente de dia das crianças, por conta da sua festa de aniversário, ela me disse:

-"Mas, mãããeee! Bem que você podia me dar um presentinho, né? É dia das crianças, e meu aniversário é só daqui há dois meses!"

Ou seja, uma coisa, uma coisa, outra coisa, outra coisa!
Adoro a noção de tempo que ela tem.

Retrô dia das crianças:

Deixei que ela pintasse as paredes do banheiro, na hora do banho.



Loja de roupas onde encontramos a Bia, da Chiquititas.

Branca de Neve de aparelho.




segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Ansiosas? Nós?

Para quem ainda acha que ansiedade de mãe não passa para a filha, escute esta:
-"Mamãe, hoje eu tô tão ansiosa!"
-" Tá ansiosa com o que, filha?"
-"Ah, com o passeio pro zoológico com minha turma, que nunca fui. E com o meu primeiro vídeo vida, que nunca tive e com minha festa de aniversário que é daqui há dois meses. Hoje vai ser difícil dormir".
Luísa, 5, quase 6 anos, ontem à noite.

E como diz meu marido, "e eu que fique no meio do fogo!".
Boa semana, com muita calma pra todo mundo!!!!




sábado, 5 de outubro de 2013

Ensinamos, porém aprendemos muito. Mas ainda assim, temos que estudar.

Acho que uma das primeiras providências que muitas mulheres tomam após saberem o resultado do exame de gravidez é entrar em uma livraria, comprar algumas boas opções de livros sobre gestação e devorá-los. São livros que, basicamente, vão da concepção ao desenvolvimento do bebê já fora da barriga. Tratam da beleza da mãe e até dão dicas de como brincar e ajudar no desenvolvimento motor do bebê. Eu mesma emprestei de uma amiga uma coleção que ensina a brincar e estimular o cérebro do bebê à partir do décimo dia de vida. Ou seja, opções não faltam.



Mas o que nenhum livro nos instrui, ou pelo menos não nos alerta, é que devemos estudar bastante primeiro. É sim! Estudar. Literatura, Português (principalmente!!!), Cultura, Biologia, Geografia, Psicologia, futilidades. Porque, um dia, nossos bebês crescem e tornam-se crianças curiosas e exigentes. Isso mesmo! Elas nos exigem respostas claras, verdadeiras e rápidas. Como uma vez, que minha filha, no auge dos seus 4 anos de vida, me perguntou o que era "gay".  
Outro dia,  conversando com uma amiga sobre a capacidade que as crianças tem de sugar as informações, Luísa me perguntou o que eram "informações". Ou seja, são pequenas definições que não temos o hábito de defini-las, e por mais que a gente saiba seus significados, suas colocações, nos deparamos com a dificuldade em explicá-las às crianças. 
"Mãe, porque CASA escreve com C e não com K?", ou, "por que é mais legal brincar no computador do que com minha boneca?".
Uma amiga postou em sua página que o filho de 5 anos lhe perguntou "o que é terapia, se os pássaros tem ouvido, porque os rios são pretos e o que é um pesquisador". Vá lá. Pense rápido e responda rápido. Garanto que você engasgou em alguma destas perguntas. Mas também garanto que você conseguiu responder à todas elas.

Por isso o título do post: ensinamos, porém aprendemos muito. Mas ainda assim, temos que estudar

Nos exercitamos. Nos dedicamos. Forçamos nosso cérebro para darmos a melhor explicação, a melhor definição, por mais simples que seja ( e que seja, de preferência, bem simples mesmo!!) para nossos filhos. 
Eles são muito atentos, por ainda haver muita novidade em tudo, o que para nós já é corriqueiro. Por isso nossa dificuldade em responder às perguntas mais básicas.
Então, minha dica é: além dos livros voltados especificamente para gestantes, adquira um bom dicionário de Português e aproveite também para desenterrar seus livros do primário, da oitava série e do colegial . 
Vão ser-lhe MUITO úteis futuramente


  

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Mais uma da série: "Ela fica bem com o papai"

A primeira vez que pedi ao meu marido que desse banho na Luísa e lavasse bem os cabelos dela, ele usou só o shampoo e não o condicionador, lembram? Do trabalhão que tive para desembaraçar aquele cabelão crespo? Pois bem. Ontem a coisa aconteceu de novo, só que de um outro jeito.

Tivemos um aniversário à noite, e como trabalhei a tarde toda, pedi à ele que desse banho na Lú e lavasse os cabelos dela, mas que por favor, ele não esquecesse o condicionador desta vez. Eu estava tranquila, porque tinha certeza que Luísa não iria deixá-lo esquecer.

Cheguei em casa, realmente tranquila da vida. Os dois estavam me esperando no parque do condomínio, e assim que me viu, Luísa correu para me contar que papai havia dado banho nela e que daquela vez, não havia esquecido o condicionador. Que beleza! Com os cabelos já secos, o que me restava era somente colocar uma presilha ou tiara. 

Mas como nem tudo são flores, coloquei as mãos para ajeitá-los e percebi uns nós muito bem feitos nele.
"Luísa, papai não penteou seu cabelo?"
"Não."
"Não??"
"Não."
"Por que?"
"Ele não conseguiu."

Como não tínhamos mais tempo, fomos daquele jeito mesmo para a festa, e ninguém percebeu os nós dos cabelos dela.
De uma forma ou outra, as coisas sempre funcionam bem com ele, mas, será que algum dia, ele conseguirá fazer o serviço completo e perfeito, ou pelo menos, do meu jeito?
O que me diz?

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Um pedido de ajuda

Já faz algum tempo que venho notando minha filha nervosa, irritada e até meio mal educada. Tem dias que acorda gritando por não querer ir a escola, ou porque brigou com alguma amiguinha - "elas ficam encendo meu saco, mamãe!" -, ou por estar simplesmente com sono. E hoje, a professora dela me chamou para conversar.
Luísa também anda nervosa e brava lá na escola e como se isso já não fosse suficiente, fui informada de que ela anda batendo nas amigas, principalmente quando é contrariada ou deixada de lado por elas.
E aí eu me pergunto:
-"Como assim? Batendo? Mostrando a língua? Chamando até as professoras de "chatas"? Como assim?"
Por eu ter voltado ao trabalho, Luísa tem ficado até às quatro horas da tarde na escola. Busco ela todos os dias, exceto às terças-feiras. Trabalho das cinco e meia às sete e meia da noite e depois disso passamos o resto do tempo juntas, mas.........enquanto ela brinca, eu preparo alguma coisa pra comer.....enquanto ela assiste TV, dou comida à ela...(sim, este tem sido nosso esquema. Sei que é péssimo comer em frente à TV, mas temos feito isso), e depois disso nos preparamos para dormir.
Na verdade, não sei se ando rígida demais com ela com relação à horários e tecnologia. Não sei se porque ando acordando em cima da hora todos os dias, atrasada sempre, ando apressando ela pra tudo, ela anda irritada também....enfim. Estou meio perdida por aqui.
Alguém pode me dar uma dica?
Algum psicólogo de plantão?
Falta atenção? Falta conversa? Castigo? O que?


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Revendo fotos

Ontem e hoje estive aqui compenetrada, separando algumas fotos para o primeiro vídeo vida da vida da Luísa.
Sim, nós nunca fizemos um, e agora, aos quase seis anos, resolvemos caprichar.
Quer dizer, resolvi, né.
E então que, revendo as fotos, revivendo cada detalhe, me deu uma saudade de quando ela era um bebê. Pequenininha de tudo, frágil e ao mesmo tempo guerreira, percebi como ela cresceu.
E cresceu mesmo, e em todos os sentidos.
Sem contar o fato de Luísa ser uma criança fora do padrão de cinco anos de idade (ela é gigante!!), ela se desenvolveu muito!!!
Inteligente (toda mãe acha isso!), linda (á vá??), come bem, fala bem, canta bem, dorme bem (pentelha bem também!), ela é meu orgulho. Meu orgulho!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Nada pode ser TÃO bonito

Esses dias tive que responder à algumas perguntas sobre maternidade e educação para o trabalho de faculdade de uma amiga, e me senti super orgulhosa por poder falar sobre as coisas que faço com Luísa e que contribuem para um melhor desenvolvimento cultural, intelectual e etc.
Falei sobre folclore e as oficinas que minha filha já participou. Falei sobre leitura, sobre shows, sobre aulinhas de culinária e o controle do tempo dela na TV e internet. Anexei várias fotos que comprovavam as atividades e com elas pude perceber que, nossa!, Luísa faz bastante coisa sim e isso é muito legal.
No final da minha entrevista, foi me pedido para que fizesse algumas perguntas à pequena e as anotasse do mesmo jeitinho que ela as tinha respondido. Uma fofura! Mas como muitas coisas na minha vida tem seu lado cômico (graças à Deus!!), veio a pérola final. Certa de que Luísa ia dizer que sua banda musical preferida era qualquer uma de boa qualidade, ela me vem com esta:
-"Anita, mamãe! Eu gosto da Anita, da música dela e porque ela é linda e dança muito bem."
Fim.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Orgulho meu!!

Que orgulho desse pratão de salada, filha!
(so proud of this salad dish!!)

Teimosia aqui? Onde?

Se você está vivendo aquela fase na qual seu filho se faz de surdo, chega pra cá e toca aqui! Eu também estou! Aliás, já estive antes e agora novamente.
Socorro! Como é difícil e estressante você ter que repetir no mínimo CINCO VEZES a MESMA COISA, não? Teimosia e surdez ainda reinam por aqui.
O que me consola é que, conversando com amigas, ouço AS MESMAS COISAS, ou seja, não é um problema único e sim, geral! Criançada nesta fase quer dominar, quer mandar, desobedece e se fazer de surda mesmo.
Acho que o segredo é tentarmos desencanar e nunca deixar as coisas para a última hora. Se estamos com pressa ou atrasadas, parece que a criança faz mais cena ainda. Acorde mais cedo, deixe as coisas praticamente prontas para o dia seguinte, o jantar pronto e comida suficiente na geladeira, e deixe o pequeno levar o tempo que quiser para decidir se vai tomar banho naquele momento ou dali há 10 minutos, se vai colocar roupa logo ou vai dançar pelado um pouco antes. E conforme-se! Esta fase vai passar. Esta fase vai passar. Esta fase vai passar!!!!

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

O Renascimento do Parto


Estou tentando há dias escrever algo sobre o filme "O Renascimento do Parto" e não consigo.
A emoção foi tanta, que acho que estou querendo exagerar, contando detalhes demais, como o fato do meu marido ter se convidado para ir comigo, ou ao pequeno número de pessoas que estavam na sala do cinema e tal, e estou deixando de lado minha própria opinião sobre o documentário.
Mas também!! As coisas que li à respeito, os comentários, os depoimentos foram tão lindos e bem escritos, que me intimidei a escrever.
A verdade é que "O Renascimento do Parto" é um filme tão lindo, tão chocante e tão emocionante, que se eu pudesse abrir a cabeça de todo mundo e colocar lá dentro que "VOCÊ DEVE ASSISTIR O FILME!!", eu faria!
O filme é uma obra de arte e de vida. É simplesmente a coisa mais legal que já vi até hoje e gostaria muito poder gritar "VÃO VER O FILME! TODO MUNDO! ".
Vão!!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Desafiou? Dançou! Mas que valeu, valeu!

Quem é que não acha o máximo ver o desenvolvimento dos filhos, a descoberta das letras e a percepção da capacidade que eles tem de associar as coisas, soletrar palavrinhas...?

Ontem voltando para casa, desafiamos Luísa a soletrar "EXATAMENTE", depois que ela usou esta palavra tão grande e diga-se de passagem, tão difícil, para uma criança de 5 anos.

-"Vai lá! Então soletre a palavra "EXATAMENTE" que nós paramos o carro para pegar a boneca no porta-malas.". Ela queria muito a boneca.

E a fofurice:

- "E - Z - A - T - A - M - en - T - E".
Paramos o carro, lógico!

O "en" ela ainda não consegue formar e entender que é o E + N, mas valeu, né, gente?

sábado, 31 de agosto de 2013

Quando você volta ao trabalho e percebe que as coisas funcionam sim (e muito melhor!) sem você

E antes de sair de casa, você já deixa tudo prontinho e no jeito pro marido (que Deus acompanhe-os!) cuidar dela sozinho: bolsas da natação e da Capoeira no jeito e em cima da cama (porque ele nunca saberia onde você guarda aquelas bolsas!), pão sobre a mesa para o lanche (porque ele se esqueceria do lanche!) e todas as instruções possíveis ("não pode ver tv" (estamos de castigo por excesso de tv!), "não pode jogar nenhum jogo no notebook" (estamos de castigo por excesso de joguinhos!), "e não a deixe dormir antes da aula"...).
"Amor, dê banho nela, lave o cabelo e NÃO se esqueça do condicionador, PELAMORDEDEUS!", pois a última vez que ele teve que fazer isso, não usou condicionador e os nós sobraram todos pra mim! Pense num cabelo enrolado sem condicionador! Tá difícil imaginar? Então veja a foto e imagine:

então...



Consegui chegar em casa antes que saíssem para a aula de Capoeira, e o que vejo?

A PAZ REINANDO!!!!!! Menina de cabelos ainda molhados, super bem arrumados e com a tiara nova, maiô da natação e toalha já no varal e um mundo de brinquedos espalhados pela casa toda (o que comigo isso não acontece e eu morri de inveja! - e o porquê disso, eu explico depois, em um outro post), ou seja, tudo na mais perfeita e desorganizada rotina. 
Luísa já estava pronta para a aula de Capoeira. Tudo bem que o pai vestiu nela a camiseta de manga longa do pijama da Monster High, mas se ela concordou, então estava tudo certo!
E comigo tudo isso acaba numa guerra!

Conselho: mesmo seu marido parecendo um hóspede na sua casa, tente largá-lo cuidando da cria um dia. Te garanto que a coisa sai melhor que o encomendado e o recomendado.
Amém!
rsrsrsssss....

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Quem foi que disse?

Será que alguns preconceitos já são pré definidos, ou as crianças aprendem coisas fora de casa, sabe-se lá onde, e depois só chegam com as novidades?

Outro dia aconteceu o seguinte aqui em casa: marido tomando banho e Luísa entra no banheiro. Olha aqui...olha ali...e quando o pai desliga o chuveiro e pega a toalha para se secar, ela "pega" nele e sai correndo. Entra no meu quarto, pula na cama e me diz assim:
- "Mamãe, preciso te contar uma coisa."
- "O que filha?"
- "Eu peguei no pipi do papai."
- "Nossa, Lú! Por que fez isso?"
- "Ah! Pra ver se o pipi dele é grande ou pequeno."

Ou seja, quem foi que disse que tem que saber se o pipi é grande ou pequeno? Quem foi que disse que isso importa? E se alguém disse, por que não chamou a atenção o tamanho do braço, do nariz ou das orelhas, e sim o pipi?

Ontem rolou este papo no meio da rua:
-"Mamãe, quero ganhar qualquer carro, menos Fusca."
-"Por que, Luísa?"
-"Porque eu não gosto de carro pobre, mamãe."

E então? Quem foi que disse isso à ela? O "500" também é um carro pequeno, e ela gosta. Já o Uno ela também não gosta. E aí? Como explica essa percepção? Eu juro que nunca comentamos nada sobre Fuscas e muito menos sobre pipis aqui em casa.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

CPF na nota?

E quem responde? Luísa.
204....blábláblá, e ela sabe de cór o número do meu CPF.
Tudo bem que trata-se de uma informação desnecessária para uma criança de 5 anos saber de cór o CPF da mãe, mas o que é mais legal disso tudo? Ela sabe de cór o meu telefone celular, o do pai dela, o endereço de casa e a placa do meu carro. E não pense que sentei um dia com ela e fiz ela "engolir" todas estas informações, não! Foi da repetição do dia-a-dia mesmo.
Estas sim, na minha opinião, são informações extremamente úteis e importantes, que foram aprendidas sem querer e sem qualquer esforço, e que acabaram por me garantir mais tranquilidade no quesito "medo" da Luísa. Porque um dos seus medos atuais é o de se perder, e após uma boa conversa no shopping sobre a possibilidade dela se perder ali algum dia e instruí-la sobre a quem ela deve procurar e qual o tipo de informação passar para a pessoa - de preferência um segurança (aquele que fica na porta do shopping de terno preto, sabe, filha?) - ela simplesmente nem fala mais disso.



quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Sem título

Luísa chega da escola e corre para o quarto trocar de roupa:
-"Mamãe, não venha aqui."

Minutos depois:
-"Ó!!!"
(dançando)
-"Minha roupa de funkeira!" 
(short verde estampado curto, um top de cupcakes e bota cano longo azul marinho)
(e continua dançando...)
-"Não gosto dessa dança, Luísa!"
-"Mas é só de brincadeira, mamãe! Desencana!"
                                                       Luísa, 5 anos

Vou ali me enterrar.
Fui.

Capoeira e percussão

Já faz algum tempo que venho levando Luísa para as aulas de Capoeira. Para quem não sabe, meu marido, além de vários "istas" que é, também é mestre de Capoeira, e há 25 anos pratica a arte quase que diariamente. Então, nada mais justo que inserir nossa pequena no mundo fitness desta dança-luta-arte-cultura brasileira-atividade física tão linda e cheia de benefícios logo cedo.

E desde sábado passado, Luísa e eu estamos frequentando as aulas de percussão na própria academia.


E gente! Eu vou dizer: estamos enlouquecidas pelos tambores!

Luísa começou tímida, tapando os ouvidos a cada batida nas alfaias, mas não demorou para que logo se soltasse. Pegou um agogô, outra hora um reco-reco e até o final da aula, já estava mexendo o corpinho, e fazendo parte da bateria. Se interessou tanto, que pedimos ao professor que lhe faça um instrumento do tamanho adequado a ela, já para a próxima aula.

-"Mamãe, quando é a próxima aula?"
-"Aaah, mas eu queria que fosse todo dia!"


Isto é uma alfaia. Eu também não sabia. 
Foi um prazer.



quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Sou uma arMÃEdilha

Mamãe aqui compra 5 pães de queijo para a filha, crente que ela vai ADORAR!
Filha entra no carro. Mamãe oferece "toda regateira" os pães e tem o seguinte como resposta:
-"Não quero, mamãe. Vou comer a uva mesmo".

Outro dia, na preguiça de preparar o jantar, mamãe oferece um sanduíche de pão com ovo frito para a filha. Ela recusa, abre a geladeira e pega um pacotinho de cenouras baby e diz:
-"Mamãe, faz aquele molhinho com azeite e sal, por favor?"

Depois de bater aquele pratão de arroz, feijão, couve-flor e bife, Luísa recusa minha oferta de gotinhas de chocolate como sobremesa e me manda essa:
-"Não, não, mamãe. Agora eu quero duas bananas".  
Puxa!
Me achava uma mãe tão regrada, tão até que certinha com relação à alimentação da criança, mas vejo que sou uma armadilha.
Armãedilha.

Na pizzaria.
Família toda reunida para comemorar meu aniversário. O garçom chega e quer anotar os pedidos das bebidas:
Meu pai : uma cerveja.
Minha mãe: para mim também!!!!!
Meu marido: uma Coca normal.
Eu: uma Coca Zero.
Luísa: um vinho seco!
Ela me mata de vergonha de rir!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Uma festinha especial

No mês passado, Luísa foi convidada para a festinha de aniversário de 5 anos de uma amiguinha da Capoeira, que aconteceu no salão do prédio da menina. A decoração foi toda em papel e TNT, pratinhos e copos coloridos, brigadeiros, bolo de cenoura, torta de milho, mini pizza, pipoca e suco.



A mãe ainda organizou, junto com a avó, uma oficina de cataventos, onde a criançada, sentada em volta de uma mesa, recortava, pintava, enfeitava e colava os cataventos coloridos.



E num determinado momento da festa, antes dos parabéns, a aniversariante distribuiu capas e coroas aos amiguinhos, e juntos, encenaram um peça que falava sobre como viemos ao mundo (filosofia Waldorf). Não sei explicar direito, mas a história é algo sobre o Sol e a Lua, e ao fim da peça, as crianças cantaram uma música de aniversário diferente. Isso tudo sem ensaio, gente! Lindo demais. E o mais incrível: todas as crianças participaram.

Tenho que confessar que fiquei deliciada com a simplicidade e lindeza da festa, que foi todinha organizada e preparada pela família da menina. Eu, que particularmente adoro festas, gosto de organizar e fazer tudo, inventar moda, complicar e me descabelar, fiquei encantada.

Costumo dizer que sonho com o dia em que conseguir fazer uma festa para poucas pessoas. Máximo quinze amigas, sabe? Mas até hoje não consegui.

Este ano vamos cumprir o que prometemos e combinamos (eu e marido): vamos fazer a festa da Lulú em um buffet. Mas sinceramente, preferiria muito mais uma festa em um parque, com uma mesa embaixo de uma árvore, com poucas pessoas e muitos doces coloridos e lanchinhos. Quem sabe em 2014 eu consiga.



segunda-feira, 5 de agosto de 2013

É por essa e outras que eles envelhecem mais tarde

Sábado, 03 de agosto, sete horas da noite.
Marido chega na casa da minha mãe, depois de um dia inteiro de curso de Yoga, e se deita na rede um pouquinho para descansar.

Eu, enlouquecida na cozinha, após um dia todo de correria entre supermercado, padaria, shopping, tentando terminar um bolo de aniversário (o meu bolo de aniversário!) que está saindo todo errado. Minha mãe tentando me salvar de qualquer maneira, e ainda ouvindo Luísa me pedir pêssego, depois água, depois que a acompanhe ao banheiro, depois que veja a fase em que ela está do joguinho, e depois que coloque um desenho para ela na TV, preocupada ainda porque não vai dar tempo de me arrumar para a pizza logo mais, e o que eu escuto do marido, quando Luísa chega perto dele na rede?
-"Amor, mas a Luísa não está nem pronta ainda?"

De qual planeta calmo e tranquilo eles vem, hein?
Sem mais



sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Mãe da Lulú Na Mochila

É como sempre digo: não sou dona da razão, nem profunda conhecedora de nada, mas vivo minha vida, meu dia-a-dia, minhas conquistas, meus perrengues, enfim.
Sou mãe, e amo muito tudo isso.
Escrevo sobre minha vida, o que me acontece - e o que me aconteceu! - e como penso. E adoro! Adoro poder dividir minhas experiências todas e receber comentários. E críticas também. Afinal, aprendemos juntas. E fim.

E então que uma determinada revista, coisa linda de se ver, me convida para escrever para ela! Imagina como eu fico? Mãe orgulhosa e metidinha que só!
Como se não bastasse só isso, meu marido também está na edição de agosto da revista ( e ele também está se achando!), falando sobre a Capoeira, como atividade física infantil e seus benefícios para o desenvolvimento dos pequenos.

A Na Mochila  é uma revista bimestral, da querida Lucy De Miguel, que tem como parceiras as escolas particulares da região de Sorocaba (por enquanto, né, Lucy?), e que fala sobre maternidade, comportamento infantil, educação, meio ambiente, saúde, alimentação, moda, divulga eventos e outras "cocitas mas"... Maior sucesso, delícia de se ler e com ótimas informações. E agora eu tô lá também! Eu, Lulú e minha vida. À partir deste mês, em todas (se Deus quiser!!) edições.
Para quem quiser seguir a revista no Facebook :
https://www.facebook.com/revistanamochila?ref=ts&fref=ts

O site é : http://www.revistasvetor.blogspot.com.br/


Beijo do casal que "se acha"!

terça-feira, 30 de julho de 2013

Eu cedi aos encantos do tablet

Nem sei como começar este post. Se me defendendo, dando minha cara pra bater ou simplesmente contando os fatos. Mas vamos lá, direto ao assunto:
Luísa comprou seu tablet.
Isso mesmo: Lulú comprou seu tão sonhado - e querido, e enlouquecidamente desejado - tablet! E com seu próprio dinheiro. Aquele do cofrinho, sabe?
Tentei segurar até seu aniversário. Prometi que daria à ela, mesmo sendo contra e antecipando todas as regras. Mas ontem não me aguentei e cedi. E acabei antecipando o tablet também. Só que não como presente, e sim, como permissão para que ela mesma o comprasse. E vocês não fazem ideia da felicidade dela.

Já faz tempo que Luísa guarda moedinhas no cofrinho e sabe que "aquelas" moedinhas são para ela comprar o que quiser..
Ontem, diante de uma super promoção de tablets, ela me disse: "mamãe, eu tenho dinheiro. posso comprar?". Achei o pedido e a constatação dela tão bonitinhos, que não me restaram dúvidas: cedi! E com prazer.
Agora me resta ser rígida com os horários, tempo de permanência com ele, e não ceder muito mais. E já combinamos - e ela sabe que todo combinado deve ser cumprido - meia hora depois do almoço e mais meia hora no finalzinho da tarde. Acho que já está de bom tamanho, né?

Suuper feliz!!



quinta-feira, 25 de julho de 2013

Ah sim! E ela pagou uma da minha cara.

Hoje resolvemos sair e curtir um frio por aqui.
Porque, como disse uma amiga minha, "fácil dizer que tá frio, dentro de casa, de baixo de um cobertor. Gostoso mesmo é sair pra rua e curtir o frio no rosto". E isso é realmente para quem gosta de frio. Então foi o que fizemos.

Roteiro de passeio de férias eu falo depois, porque o que eu preciso contar mesmo é que, quando você pensa que a coisa tá feia - e só feia - ela, na verdade, está horrorosa!! E pode piorar! (rsrssss...). E foi justamente o que nos aconteceu.

Primeiro, porque minha filha é uma fulaninha pra lá de folgada, e, mesmo quando estamos andando no meio da rua -  mais precisamente atravessando ela -, ela me pede para coçar suas costas.
Sim, carazamigas!
Ela me pede para coçar suas costas BEM no MEIO da RUA! Entenda-se "sem ainda chegar na calçada".
Até aí, a coisa estava só feia! 

Então, ela segue com as instruções, e aqui foi quando a coisa ficou horrorosa:
-"Desce, mamãe! Agora sobe! ", até que eu encontrasse o lugar exato da coceira!

E aqui, o momento crítico:
-"Desce..sobe..empina e rebola..."
Plóft.
Caíííímos na risada! Nem eu, nem ELA mesma, acreditamos na música que saiu.
E que, definitivamente, ela acabou pagando uma da cara dessa mãe aqui, aaaaaah pagou!

Com vocês - fazer o quê?? - MC Leozinho - sniff! - tema da novela Salve Jorge - socoooooooorro!!
Segue o link : Toda gostosa

É bem como disse nossa amiga linda e chiquérrima Roberta Lippi:
"Não, eu não consegui blindar minhas filhas. Elas cantam "Gatinha Assanhada, cê tá querendo o que?" e todo tipo de porcaria que entra na cabecinha delas e gruda como chiclete. E que aprendem fora de casa, obviamente".
Leia o post completo aqui.

Hahahahaaa....eu devia ter filmado esse momento "melô da coceira".



quarta-feira, 24 de julho de 2013

Um dia frio e cheio de princesas

Em busca do que fazer com Luísa hoje, durante o dia, já que o clima lá fora estava congelante - que delícia! eu amo o frio! - encontramos um site que nos deu atividades para uma boa parte da nossa tarde: o Tektonten Papercraft. Lá encontramos várias atividades para imprimir gratuitamente, e a que escolhemos foi Rapunzel, e mais  todas as princesas, em 3D, para recortar - o que nos ocupou um bom tempo -, colar e brincar.

Tive que fazer a maior parte do trabalho, já que os desenhos são super detalhados e para uma criança de 5 anos, difíceis de recortar, mas Luísa me deu uma boa ajuda, recortando o cabelão da Rapunzel, o corpo dela e a saia.
Uma boa dica para mães com MUITA paciência e MUITO frio, como eu!
O resultado final, Luísa amou.



terça-feira, 23 de julho de 2013

Hoje o dia é do papai

Hoje é aniversário de uma das pessoas mais importantes da minha vida: meu marido! E ontem, Luísa e eu saímos para comprar-lhe um presente. Fomos à uma livraria, pois é lá que encontraria o presente certo para ele.
Depois de mais de uma hora na livraria, entre escolhas de livros para ele, pausas para leitura de algum título infantil, alguns "mamãe, venha aqui" e "posso ficar com este?", saímos de lá carregando três livros e uma caneta.

-"Lulú, agora você tem que prometer que não vai contar nada para o papai. O presente é surpresa!"
-"Ô, mãe...eu vou falar pra ele assim: Papai, adivinha o que eu vou te dar?"
-"Nããão, Luísa! Já disse que é surpresa!!"
-"Nããão, mãããe!! Eu vou enganar ele assim ó: pai, seu presente começa com a letra B! É um Batman!"
-"Lulú, não! Não diga nada!"
Mas vi que ela não ficou feliz!!

Papai chegou, e ela foi logo contando que estivemos no shopping, que ela ganhou um livro, e que compramos seu presente.
Marido nada bobo, vai logo querendo adivinhar - essa história não ia dar mesmo certo!! - mas consegui acabar com a brincadeira e desviar a atenção dos dois!

Hoje cedo, sento para tomar café com ele. Dou-lhe um beijo, um abraço e digo que o presente virá depois, quando Luísa acordar. E ele já começa a rir!

-"Luísa não resistiu. E me contou o que é o presente".
Largo a xícara:
-"E o que é o presente?"
-"Um livro". 
kkkkkkkkkkkk
-"Não acredito, amor, que ela te contou!!!!"
-"Quando você foi tomar banho, ela imediatamente me puxou e cochichou no meu ouvido que me daria um livro, mas que eu deveria manter segredo!"

"Alô, Dra. Homeopata, bom dia! Preciso de um remedinho para ansiedade!!"

domingo, 21 de julho de 2013

Esnobando a Lulú. E isso me dói tanto...

Luísa sempre foi super bem enturmada na escola. Quando entrou, parece que era a sensação do momento, e todo mundo queria brincar e "ser amigo" dela. Foi logo entrando para a turminha das meninas mais velhas NA escola, e isto fez com que sentíssemos em casa, à vontade.
Nas festinhas de aniversário, tanto as crianças como nós, mães, nos divertíamos muito. E continuamos nos divertindo pra caramba. Bom, pelo menos eu.
Fiz grandes amigas lá também: as mães das amiguinhas.

De um tempo pra cá, Luísa tem reclamado que algumas crianças não querem mais brincar com ela; não querem mais ser suas amigas. E essas crianças são, justamente, as mesmas que eram super suas amiguinhas.
Vi uma cena dia desses, quando fomos ao cinema, eu, Luísa, amiguinha e mãe da amiguinha, minha amiga. A menina, em nenhum momento, quis brincar ou conversar com Luísa, e muito menos vibrou quando nos viu no shopping. Assistiram ao filme como se fossem desconhecidas, uma ao lado da outra, mas sem a menor interação. Luísa tentou puxar papo e agradar a amiga várias vezes - o que me doía mais ainda - e nada! A menina estava decidida a "não ser mais amiga da minha filha". Durante o lanche na lanchonete, após o filme, foi a mesma coisa.

Outro momento que participei: fomos no aniversário da mãe de uma das amiguinhas, minha amiga também. No quarto, as meninas brincando (estavam em 4), e de repente Luísa começa a chorar. Vem correndo pra mim, dizendo que as meninas estavam acusando ela de algo que, na verdade, não tinha feito. Pude ver as meninas insistindo com ela, e tentando me convencer que ela tinha feito sim! (não me lembro o que, exatamente). Depois começaram a rir, dizendo que era brincadeira, e que Luísa chorava por tudo e que elas estavam brincando. Aquilo me doeu também.

Luísa sempre foi líder na escola. Nos relatórios bimestrais, a descrição final era sempre LÍDER. Tanto de manhã, quando fazia a parte pedagógica, como à tarde, quando ela só brincava (recreação). Mas decidimos deixá-la somente  meio período e mesmo antes disso, percebia que as meninas que iam embora ao meio dia, não eram tão enturmadas com as meninas do integral. Ou seja, as amigas que a estão esnobando hoje, continuam no integral. Será que é isso?
Juro que não sei como agir e o que falar para ela, pois sinto, e mais ainda, VEJO o quanto ela fica chateada.
Não sei se é um processo natural da vida de uma criança, já desde cedo (5 anos é muito cedo pra mim!) aprender a lidar com frustrações desse tipo. Quero poder ajudar, interferir, sei lá. Mas não sei como. Não sei o que dizer, definitivamente.
Alguém, tem alguma dica?

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cenas no supermercado

Que Luísa não é uma criança louca por doces, muita gente já sabe. Sabe e admira! Mas como ela ainda é uma criança - e normal!! - , ela também dá seus escândalos em supermercados. E eu, ao invés de morrer de vergonha, morro de rir.
Dia desses, conseguiu chamar a atenção de algumas pessoas, enquanto chorava desenfreadamente por um sabonete Dettol, de R$ 27,00!!! Aquele bendito que só de você chegar perto do sensor com as mãos, já cospe sabonete. Affff..... Aleguei que aquilo era sabonete de shopping, e não de casa, e ela não me convenceu. Por isso a choradeira.

Outro dia, passando pelas frutas e legumes, Luísa me solta um grito super empolgado e feliz:
-"Olha, mãããããeee!! INHAAAAME, MANDIOOOOCA, BATATA ROOOOXA!!!". Tipo, todos os legumes mais sem graça do setor. Não que ela coma tudo isso, mas teve gente que olhou pra ela, provavelmente pensando "que criança é essa?!"
Luísa conheceu o inhame há poucos dias atrás, quando surgiu uma "berebinha" em uma de suas pernas, e minha mãe e meu marido responderam em coro,  que era para eu colocar inhame no local, a fim de "secar" o possível furúnculo. A mandioca, foi a escola que lhe apresentou. Fizeram um trabalho sobre a raiz, no qual as crianças tiveram inclusive que prová-la.

Finalmente, minha filha não chora e muito menos faz festa por bolachas, doces e balas nos supermercados, e eu, me sinto uma sortuda por isso.

Oi! Somos uma família de inhames!! Somos sem graça sim, mas somos uma poderosa fonte de proteínas, fósforo e potássio. Além do mais, ajudamos a melhorar o funcionamento do sistema imunológico, a qualidade do sangue, equilibramos os níveis hormonais, ajudamos a mulherada a engravidar e curamos feridinhas e secamos espinhas! 
Somos sem graça sim, mas somos legais!!  
Consumam-nos com frequência! Na sopa, nos bolos e até nas pizzas!

Éca!!






quarta-feira, 17 de julho de 2013

Lino

Sabe-se que a última leva de livros da Coleção Itaú de livros infantis estava demais.
Ontem li para Luísa, pela milésima vez, Lino, de André Neves, editora Callis.
O livro conta a história de um porco de brinquedo, que perde a melhor amiga (Lua), uma coelhinha que, quando dava risadas, a barriga acendia, e fica muito triste com isso. Até ser também comprado por uma menina chamada Estrela, que mais tarde, mostra a ele a lua no céu. Lino fica encantado, fascinado por ver que a amiga está feliz e ainda por cima, sorri para ele quase todas as noites.
Trata-se de uma história emocionante de amizade.

Na contra capa do livro há um resumo da história e duas perguntas. Uma delas é: por que Lua tem uma luz que acende na barriga?


"Porque quando Lua tá feliz,  acende a luz na barriguinha dela. Quando ela vê o amigo Lino, ela fica feliz. A luz, na verdade, é o coração da Lua, que se ilumina quando está feliz. A luz corre pelo corpo todo da Lua, e faz brilhar no Lino também". Luísa

terça-feira, 16 de julho de 2013

E hoje o dia foi de oficina de cupcake e torta

Quando me pegar me achando louca novamente, como por exemplo, por resolver fazer a festa inteira de aniversário da minha filha quase que sozinha, eu vou me lembrar da querida Juliana Contó.
Juliana é mãe de dois: uma menina de 12 e um bebê de um ano e meio. É doceira, boleira, confeiteira e arteira....e louca! Vou contar aqui o por que. Juliana abriu sua casa e cozinha para uma oficina de cupcakes, tortas e mini pizzas. Abriu ao público. Ao mini público. E hoje fomos lá participar. Que delícia! E que loucura armada!
Levei Lulú com mais duas amigas, e a oficina foi somente para elas, o que deu espaço para amizade, liberdade e zoeira total!! Não só usufruíram da cozinha da Ju, como também da sala e do quintal. Teve dança da cadeira (enquanto os cupcakes estavam no forno) e teve até um banho de mangueira (por acidente). Mas valeu demais! As meninas adoraram, comeram e levaram os cupcakes para casa.

Digo louca, mas morro de inveja da Ju. Por ser desencanada quanto á bagunça, barulho e sujeira.
Como sou surtada com isso, acabo me incomodando um pouco pelos outros e depois, ando querendo ajudar na limpeza da bagunça toda: chocolate pela cozinha toda (e pelo sofá!), montes de louças na pia e mais ainda, crianças correndo por todos os lados.
Ju, você está de parabéns, mulher! Seu cupcake cresceu (o que não tem acontecido com os meus aqui em casa!), a torta ficou deliciosa e seus filhos são lindos. Obrigada pela tarde. Amanhã passo aí catando moletom que ficou e, se sobrar, mais um pedaço da torta. Beijão!

Todas fizeram de tudo um pouco...


Até que elas atacaram a panela...

E se lambuzaram.


Teve o momento do "seu dente tá mole!!!!!!!"

E enquanto os bolinhos assavam, as meninas faziam a dança das cadeiras no meio da cozinha.

Recheando os cupcakes.



Resultado final!