Pesquisar este blog

domingo, 30 de dezembro de 2012

Dois passeios seguidos sem a mãmmis

Tenho que admitir que, passado o susto da porcaria da conversa sobre o fim do mundo, agora sim me empolguei para pensar nas nossas férias!

Nosso final de ano tem sido bastante corrido, mas ao mesmo tempo, tranquilo.
Luísa passou dois dias fora de casa, na companhia de pessoas mais que cuidadosas, mas que, apesar disso, a pessoa aqui não deixa se desligar um só minuto. Ontem, passou o dia em uma chácara, como tio e cunhada, em outra cidade. Piscina, cavalos e rio, são coisas que não me diexam tranquila se não estou por perto, mas nada que trocentas recomendações de "cuidado, cuidado, cuidado" não me acalmassem 5%. E hoje, foi ao zoo, com parte da família que veio de Londrina pra cá. Foi de ônibus fretado, com mais 40 pessoas da família do marido e ainda está lá. Nada que mais trocentas recomendações de "cuidado, presta atenção, não larga da mão da prima e não tire o olho da tia" não me acalmassem 4%. Ou seja, dois dias de descanso para meus olhos e tormento para minha cabeça.

O que importa é que ela, com certeza, está se divertindo, matando a saudade dos primos que moram longe e, além de tudo, está cada dia mais independente.

Mas em off: não vejo a hora que ela volte pra casa.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Entre tapas e beijos e "tira a mão da boca!!"

Pois é! Quem disse que mãe e filha não se estapeiam mais, hein?
Aqui em casa a coisa é assim: colocou a mão na boca toma tapa! E pode ser mãe, pode ser filha, comeu unha, tomou tapa!

Parece grosseiro, mas não é!
Tenho um péssimo hábito de roer minhas unhas. Desde pequena. Já tentei de tudo, inclusive o mais falado dos meios: fazer unha semanalmente. E mesmo assim, não paro. Consequentemente, Luísa aprendeu - direitinho - a roer as unhas.

Já prometi brinquedo, já disse que é feio, que machuca, que não dá pra passar esmalte, etc, etc, etc. Nada deu resultado ainda. Então, atualmente, a tática é essa: colocou a mão na boca, tomou tapa. Tapa na mão, sabe? Daquele dado pra doer mesmo!

Esses dias tomei um dela, que foi maior o susto que a dor. Morremos de rir disso, e espero que sirva pelo menos para nos intimidar. Estamos juntas, desta vez, tentando acabar com o vício. Entre tapas e beijos.

É o meu jeitinho

Incrí-bi-le a semelhança das frases entre mãe (eu) e filha (Lulú, lógico!).
Até na hora da bronca que ela dá em mim....opa! Bronca que ela me dá? Sim! Até nessa hora, é tudo igual. Quer ver?

-"Mãe, você promete pra mim que, se eu te obedecer hoje, você deixa eu assistir Carrossel?"
"Você promete pra mim..." é exatamente como eu falo com ela quando quero que ela faça alguma coisa.

-"Luísa, vai tomar banho, por favor!"
-"Só se você deixar eu brincar de dominó depois!"

"Só se..." é exatamente como eu digo a ela. E cheguei a conclusão de que impor condições é péssimo!!

E a máxima de hoje:

"Calma, mãe! Eu sou uma só, tá?"
Essa eu caí de costas!!

Então lembrem-se: tudo se copia, ok? Todo cuidado é bem vindo!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O baile que tomei da piscina da Barbie

Porque esses brinquedos cheios de detalhes, vamos combinar, precisam mesmo de manual, né?
Imagina uma piscina da Barbie, cheia de "nove horas"?



O duro é quando a mãe, sei lá porque cargas d'água, resolve jogar fora a caixa do brinquedo. E com o manual! O que acontece? Nada. A piscina fica mais ou menos montada, e aquilo que poderia ser uma mesa, ou até mesmo um balanço, fica ali, desmontado, esperando uma pesquisa no Google.

Pesquisa no Google? Que nada! A menina de 5 anos é mais esperta que isso!
Fomos juntas até uma loja de brinquedos, e ela foi lá, olhar a caixa da piscina. Só a caixa.
Chegou em casa, montou tudo direitinho, e ainda por cima tirou sarro da minha cara, dizendo:
-"Eu conse-gui-i! Vo-cê-ê nã-ão!"

Bem, no meu tempo de criança, eu nem tinha essas coisas! Humf!! Orgulho da mãe!!

Tiradinhas "relax" de pós Natal

-"Mamãe, hoje tem show do Carlos Roberto na TV de novo?"

-"Mamãe, acho que agora eu vou ficar mesmo "manguela". Meu dente tá mole!"




domingo, 23 de dezembro de 2012

Mudei de ideia quanto ao microondas

Depois de ver a experiência que a Pat Feldman mostrou no Mamatraca, acho que não custa nada mesmo ligar a leiteira e esquentar o leitinho da pequena no fogão.
Vejam aqui se não estou certa.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Das constatações, justificativas, desabafo e um feliz aniversário, filha!

Luísa completou cinco anos no dia dezesseis.
Parabéns, minha princesa. Que Deus te ilumine sempre, sempre, sempre...

Depois de quatro ou cinco meses planejando e colocando em prática todas as minhas ideias para a festinha, chego à algumas conclusões. Vamos lá:

O que tinha em mente era uma festa "de princesas", ao ar livre, no jardim de casa, com enfeites nas árvores e no quiosque, crianças nas balanças, chafariz ligado e muita comida. Com a previsão (pelo menos na minha cabeça) de um sol escaldante na hora da festa, resolvi não arriscar e decidi trocar a data e o horário da comemoração. "Prefiro ficar só com a possibilidade de chuva, no sábado a noite, do que com a chance de fritar meus convidados no domingo na hora do almoço". Este foi meu discurso.  Havia grande chance de estar muito quente.
Data e horário trocados, convites rasurados, e um sábado chuvoso de dar dó.Metade do espaço perdido, decoração comprometida e uma criança com febre.

Conclusão 1:
Pra quê se programar com tanta antecedência, se quem manda no tempo é o Papai do Céu?

Conclusão 2:
Pra quê mexer no que já estava planejado? Por que não confiar mais Nele, já que Ele estava vendo sua dedicação com os preparativos e você merecia que a festa tivesse sido perfeita? O domingo foi perfeito para a festa tão sonhada: dia fresco, sem sol, sem chuva, e criança mais animadinha.

Observação:
Apesar de parecer, não estou culpando Deus por nada! Estou só chateada.

Decisão:
É como uma amiga disse uma vez: "no aniversário da Luísa sempre chove". Eu já deveria ter decidido fazer a festa de aniversário da Lulú um mês antes. Assim o risco de chuvas e trovoadas seríam menores.

Sobre os convites
Eu nunca havia feito convites impressos para os convidados. Nunca!
Nunca ouve necessidade, afinal de contas era só família e amigos próximos, e nada que um telefonema, um encontro ou uma mensagem pelo facebook não resolvessem.
Mas este ano não! Para a festa dos sonhos "da princesa", resolvi fazer um convite, todo com pedrinhas coladas, coroas e o diabo.

Conclusão 1:
Coisa mais chata que é sair entregar convites de aniversário. Que preguiça!
E sabem o que aconteceu? Morri com uns 10 na minha mão, e acabei avisando pelo face mesmo que o convite seria entregue no dia da festa. Mil perdões, mas nem isso eu fiz. E juro que não pretendo fazer convites impressos novamente.

Sobre a ajuda
Se você é uma pessoa louca disponível para a elaboração total da festa, saiba que SÓ VOCÊ!!! tem a obrigação de fazer tudo. As pessoas te ajudam, mas só quando elas podem. E isso é natural. Você também é assim!
Tive duas ajudantes importantíssimas e queridíssimas, e posso até dizer que, se não fosse elas, a festa não teria acontecido com os detalhes que eu imaginei, mas apesar disso, os dois últimos dias que antecederam a festa foram PUNK pra mim.
Então me surpreeendi: envolvi meu irmão nos últimos e definitivos minutos, e ele foi de uma competência, uma responsabilidade, uma vontade...incrível!! Ele foi incrível! Sem contar com a ajuda do meu marido, que na massa não colocou a mão, mas saiu com Luísa, para que pudéssemos arrumar tudo, sem interrupções.

Sobre a decoração e os doces
Eu quis fazer tudo. Fazer de fazer mesmo. Não queria nada comprado pronto.
Como a festa foi sobre "princesas e piratas" (achei o tema "príncipes" muito sem graça), fui desde a elaboração das saias tutu para todas as meninas, os lenços e tapa olhos para os meninos (tá! os lenços foi uma costureira que fez pra mim!) até as varinhas de condão feitas de papel e canudo, o sapatinho de cristal e a coroa, que colei pedra por pedra, e o bolo de pasta americana, que deveria ter sido feito de tecido, mas de última hora acabou sendo preparado com pasta americana, já que encapar bolos com tecido me pareceu uma operação pra MacGiver ver e fazer. Comprei flores para as mesas e coloquei em cada vasinho uma plaquinha com o nome da LUÍSA, escrito por ela (o que levou dias).
Quanto aos doces, tinha brigadeiro, beijinho, bicho de pé, mini cupcakes, macarons, cakepops, gelatina, bolacha maizena "enfofurada" (créditos da palavra "enfofurada" para Luciana Azevedo. Ela sabe que me apaixonei por esse termo. Enfofuration, né, Lú?) com lacinhos de cetim. Tudo tudinho eu que fiz! Eu e minha tia. Deu trabalho? Deu! Muito? Absurdamente muito. Mas valeu? Com todas as minhas forças, SIIIIIIIIMMMMM!!!

Sobre a participação da Luísa
"Participou efetivamente da elaboração de quase tudo".
Escreveu o nome dos amigos nos convites.
Escreveu o nome dos amigos nas etiquetas das saias tutu e nos tapa olhos.
Escreveu seu nome nas plaquinhas dos vasinhos das mesas.
Fez um pompom vermelho especial, sozinha.
Me ajudou a colocar as toalhas ns mesas.
Me ajudou a colar pedrinhas no sapatinho e na coroa.
E se recusou a encher bexigas.
Ela odeia bexigas!

Sobre o custo disso
Às vezes achamos que fazer uma festa em casa sai muito mais barato do que fazer a mesma festa em um buffet.
Engano!
Para essa festa que fiz, acabei gastando o mesmo ou até mais do que se tivesse feito a festinha em um buffet. Bebidas, comidas, monitor, garçon, decoração...coloque isso no papel e, se você não quer ter trabalho, mas acha que não tem condições de fazer uma festa em um buffet, desencane. Feche os olhos e vá para o buffet. O preço sai bem elas por elas.

Sobre a festa de três anos
Me lembro que há dois anos atrás, fiz tudo sozinha também.
Dia da festa: não tive tempo de me arrumar. O cabelo preso num coque, a falta de maquiagem, o cansaço e o orgulho, resultaram num mico: eu só chorei! Chorei de cansaço, de alegria, e emoção, de tudo. Até no parabéns eu chorei! Teve gente que até pensou que eu estava sendo solidária com minha filha, que na época, ainda chorava com os "parabéns à você"! Mas não! Eu estava acabada! Realizada!

Promessas e programação para a festa de seis anos
Eu prometo, que no ano que vem, faremos a festa em um buffet.
Quero, pela primeira vez, chegar de convidada e ir embora de convidada.
A opção pela festa em buffet, no ano que vem, partiu da Luísa mesmo. Ela nos pediu, e como já havíamos decidido que festa em buffet seria feita somente quando ela nos pedisse, chegou a hora.

Conclusão geral
Apesar do trabalhão, do cansaço, da chuva e da febre da Lulú no dia da festa, achei tudo incrível e todo trabalho foi válido. Faria tudo de novo? Sim. Mas me dê uns dois anos de descanso, ok?

Ficou mais ou menos assim.


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Só uma "sastifação"...

...e bem rápida ainda!
Estou pirando, com as últimas coisas para a festinha da Lulú.
Apesar de estar me preparando o ano todo (quase isso) para isso, ainda resta muito a ser feito.
Enfim, juntou festa, com encomendas, com final de ano, e está tudo uma correria danada e louca, mas darei conta de tudo sim!
Alguns tópicos:

- Luísa teve a festinha de final de ano da escola, que foi linda. Dançou e tocou lindamente (super orgulho dela!). Depois coloco uma foto dela vestida de vitória régia.

- Para sua festa de aniversário, ganhou um dia de princesa da Dinda, e está empolgadíssima.

- Esses dias encanou que queria colocar uma peruca. Queria ir a uma loja de perucas e até sonhou com a bendita loja. Bom, passamos em frente de uma e resolvi parar. Ela amou! Experimentou uns três modelinhos nada básicos, mas já estava ciente de que eu não iria levar nenhuma. Não contente, antes de sair da loja disse à vendedora:
-"Moça, por favor, você guarda esta pra mim até o dia que minha mãe resolver vir buscar?"
Dei uma piscadinha pra vendedora e saímos, Luísa feliz e realizada.
Agora só volto semana que vem.
beijos e me desejem boa sorte!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Partes difíceis, porém engraçadas

Existem dois momentos do meu dia que são difíceis: um, é levá-la dormindo ao banheiro. O outro, é acordá-la pela manhã.

Todas as madrugadas, eu ou o marido acordamos para levar Luísa ao banheiro. Eu, como neste horário, não sou niguém não aguento carregá-la (devido ao meu sono), a levo andando. E ela não acorda. Como está dormindo, leva um certo tempo para que ela consiga fazer xixi. Enquanto isso, ficamos falando em seu ouvido e às vezes até abrimos a torneira da pia, afim de incentivá-la. Dia desses foi minha vez. Estava tão difícil acordá-la, que devo ter repetido umas 20 vezes a frase "filha, faz xixi!". Cansada de ficar me ouvindo repetir aquilo, ela me solta: "então para de ficar falando, mamãe, por favor!"


E ontem, tentando acordá-la mais rápido, disse:
-"Filha, vamos acordar, assim tomamos banho e ainda dá tempo da gente brincar um pouquinho".
Descaradamente ela retruca:
-"Então agora vamos brincar de fazer silêncio?"
Alguém me diz onde é que ela aprendeu a falar assim comigo?

domingo, 2 de dezembro de 2012

A última reunião anual da escola X o fim do mundo

Não sei se é o fato de juntar a canseira toda de final de ano, com os preparativos da festa de aniversário da Lulú, mais o acúmulo de coisas que ainda me restam pra fazer, e a sensibilidade que toma conta de nós neste período "natalístico", que fizeram com que a última reunião anual da escola da Luísa fosse um chororô quase geral! Porque, pra ajudar, as professoras ainda exageram nas demonstrações, nos elogios e nas homenagens! São as fotos exibidas, que mostram alguns momentos mais bonitinhos dos filhos, é a despedida da professora queridinha que resolve se mudar para São Paulo, é a troca da professora chefe para o ano que vem, são os detalhes da apresentação de encerramento...Santo Deus! Como eu choro nesta época! Isso porque, minha filha vai passar para o Jardim II ainda! Imagina ano que vem, quando ela terá a sua primeira formatura?

E olha: tenho que confessar uma coisa. Se existe no mundo!!! um assunto que me deixa tensa,, irritada, preocupada e cagando de medo, é essa conversa de que ele!!! o mundo, vai acabar. É verdade! Pode falar o que quiser, e pensar o que quiser de mim, mas é a mais pura verdade. Fico passada, com muito medo mesmo, procurando sempre pessoas que riam de mim e digam que isso é a mais pura besteira.
#pronto!falei!



Cada um pega no seu

São situações tão simples, tão engraçadas e ao mesmo tempo tão difíceis, que por dentro, a gente chora (exagero, lógico!) por não saber direito o que falar e o que fazer.

Luísa está na fase das descobertas! Sim, "daquelas" descobertas!
Cedo demais?
Engana-se quem pensa que é!

Dia desses, cheguei na escola para buscá-la, e a coordenadora me chamou "no canto":
-"Fê, hoje aconteceu uma coisinha chata. A Luísa e o *Y estavam se pegando".
- "Se pegando, Fabi? Brigaram?"
- "Não, não. Ela estava pegando no pipi dele e ele estava pegando na piriquita dela".

Plóft! Morri, né? De rir, de dúvida,de zóio arregalado, enfim...

- "E aí, Fabi?" (e aí, coordenadora, psicóloga, socorro, por favor, o que é que eu faço?)
-" Aaaahhh....(com a maior calma e naturalidade do mundo), eu conversei com eles e tá tudo certo. É normal isso, Fê! Não dê bronca nela. Eu já disse que cada um pode pegar só no seu..."

Entramos no carro e a primeira coisa que Luísa me disse foi:
-"Mamãe, hoje o *Y pegou na piriquita de todas as meninas!"
-" Ah-ah! Na sua também, filha?"
-"Também."
Pausa pra falar que fiquei feliz por ela ter me contado. Sinal de que não fizeram tanto drama assim e nem tanto alarde.

Então eu, com a maior cara natural do mundo (por fora, claro!), disse:
-" Aaaai Lú! Que "nada a vê" o *Y fazer isso?"
Aí eu usei o que a coordenadora já havia dito à eles:
-"Acho que cada um pega no seu. Não tem que ficar pondo a mão na piriquita e no pipi dos outros". 

E só. Não fiz mais perguntas e nunca mais tocamos neste assunto.

Acho que as descobertas são naturais, e acho que a escola agiu exatamente como deveria: sem dramas, com naturalidade para tratar do assunto com minha filha e, o principal, me informou imediatamente. Sei que, no fundo, as professoras e coordenadoras seguram a risada, né? Porque, na minha opinião, e tirando o lado mãe-educadora-preocupada em ensinar bons modos, isso não deixa de ser engraçado. Mas são descobertas e todas as crianças passam por essa fase. O segredo é ficar todos atentos: csa, escola, parquinho, casa do vizinho....
Mas eu não me lembro de ter pego alguma vez no pipi de algum amiguinho. hahaa. Me lembro de pedir para um primo me mostrar o dele e pra falar a verdade, nem me lembro do que vi e qual a reação que tive, mas deve ter sido engraçado.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

"Mãe, como o bebê nasce?"

Uma vez eu já havia explicado à Luísa que alguns bebês nascem pela barriga e outros, pela "piriquita" da mãe. A reação na hora foi de espanto, mas depois ela tratou logo de ir contando pro Vovô Preto, pai do meu marido, que ela tinha nascido pela minha "piriquita". Pois bem, esse assunto foi esquecido por ela.
Até ontem.

- "Mãe, como o bebê nasce?"
- " Ah filha! O bebê nasce assim: ele começa a querer sair e a se mexer muito dentro da barriga da mãe. Então ela começa a sentir um pouco de dor e vai para o hospital. Então o médico dá uma injeção nela, chamada anestesia, que é pra ele poder cortar a barriga dela e tirar o bebê de lá de dentro, sem que ela sinta dor. E tem o outro jeito, que foi o que você nasceu: pela "piriquita" da mãe".

Ela ficou INCOMFORMADA! Disse que NÃO queria ter ficado na minha "piriquita" e sim na minha BARRIGA.

Vou eu explicar que ela ESTAVA na minha barriga, e não na minha piriquita, e que ela só saiu por ali porque  encontrou o buraquinho que já estava lá, assim o médico não precisou cortar a mamãe, e blábláblá...

Acho que ela ainda continua não gostando muito da ideia, mas pelo menos esqueceu o assunto mais uma vez.
Vamos ver a próxima vez!


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Meu novo e-mail, aprovado por Lulú

Aaaaaaamo as conclusões infantis.

Vejam esta.
Não sou casada "no papel", porém Luísa costuma dizer que meu nome é Fernanda Keli Piovezani "Lucas". Lucas é o sobrenome do meu marido.
Com isso, chegou à conclusão de que meu e-mail deve ser fernandakelipiovezani arrôba yahooba.com.br/lucas

Adorei o /lucas!
Adorei o yahooba, que rima com arrôba!

Bem! Escrevam-me!




terça-feira, 20 de novembro de 2012

O maior susto do mundo e a mãe pelada

Agradeço à Deus por minha filha ter caído da escada do nosso apartamento, com um copo de vidro numa mão, um prato de plástico na outra, e um vestido relativamente longo e ótimo para se tropeçar na barra, e ainda assim, não ter acontecido nada com ela, além de ter tomado e nos dado um baita susto.

Este episódio levou exatos três anos e meio para acontecer aqui em casa.
Até ontem, Luísa nunca havia ao menos tropeçado na escada do nosso apartamento. São dezesseis degraus até chegarmos ao andar de cima, onde fica a sala de TV e o terraço, e desde pequenininha, Luísa subia "engatinhando" e descia "de bumbum", nunca tendo sequer nos dado qualquer tipo de dor de cabeça. Esses dias mesmo estava pensando nisso. "Que maravilha! Luísa nunca caiu dessa escada!"
Até ontem.

Eu estava tomando banho, e Lucas e ela estavam lá em cima, comendo e vendo TV.

De repente, ouço um estrondo.
Parecia uma janela se quebrando, sabe? Muito forte mesmo. Além do mais, os barulhos do copo se quebrando, do prato de plástico voando escada abaixo, da minha filha caindo, do meu marido "pulando" os degraus loucamente para alcançar Luísa, e logo em seguida o grito e o choro enlouquecedor, me cegaram.

Voei do banheiro, sei lá como! Quando dei por mim, já estava no meio da escada, pelada, acudindo Luísa, tentando ver sangue, corte, braço pendurado........meu pai! Que susto!
Felizmente, não aconteceu nada. Só um roxinho em cada braço.

Depois de amenizado o susto, fiquei pensando no fato de ter saído pelada do banheiro. Se estivesse com visitas, acho que minha reação seria a mesma, porque é um instinto tão louco! Ficamos tão cegas diante de uma situação dessas, que com certeza, só me daria conta de estar sem roupas quando, sei lá...meu marido gritasse comigo.

Enfim, obrigada Deus, pelos ossinhos fortes da minha filha.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Quase que ela já sabe escrever....

Nas reuniões que participo na escola da Luísa, a professora sempre nos alerta sobre a possibilidade das crianças começarem a tentar escrever. Não podemos corrigir, principalmente nesta fase onde elas não tem  obrigação nenhuma de saber escrever. O único objetivo é brincar e se divertir. Elas imitam as professoras, e muitas vezes acabam decorando as palavrinhas diárias da lousa e os nomes dos amigos.

Luísa tá na fase do "ouvir o som".
Ela me pede para falar as sílabas bem devagar, assim ela consegue entender os sons e reproduzir as palavras no papel.

Nesta foto, Luísa escreveu as palavras LIVRO E UVA sozinha.
A palavra BONEKA eu fui dizendo as sílabas. 


Aqui, estávamos no banco e ela me pediu um papel. enquanto eu conversava com a gerente, também ditava as palavras CAVALO e BOLO.

Acredito que minha filha está no caminho super certo.
Brincamos de escrever as palavrinhas sem cobranças.
É por pura brincadeira!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Inspirada por Mariana Zanotto

Caramba, gente. Quem é que leu o post da Mari, do "Pequeno Guia Prático para Mães sem Prática" no "Manhê...abaixa o som!"? Quem não leu, corra e leia. Eu arrepiei. Além de estar super bem escrito, ela escancarou o coração (e aliviou o meu!) e disse tudo. Pelo menos prá mim, que ando numa batalha com meus sentimentos.

"...ser mãe, prá mim, foi um presente de Deus, em muitos pontos. Amadureci, aprendi a ter calma e paciência, aprendi a cuidar de alguém. Aprendi a observar comportamentos e entendo que a vida é sim feita de escolhas e que não podemos ter e nem dar tudo. Aprendi a dividir, a ouvir. Tenho que parar e prestar atenção em tudo a minha volta e vejo que, de verdade, não existe amor maior que o de uma mãe. Não existe. E agradeço todos os dias por ter me tornado uma mãe, que ama enlouquecidamente. Aliás, amor é um sentimento que faz parte de mim. Um dia, ouvi de alguém, isso: "agradeça à Deus por ter te dado a oportunidade de AMAR alguém tão intensamente, pois existem pessoas que nunca saberão o que é isso".
Autor: eu mesma, agora mesmo... 

Mas....
.....mas...como ser mãe envolve uma misturança de sentimentos contraditórios....
.......estou na fase do "saco cheio" e do achar que a maternidade é, além de linda, uma canseira.
Já cheguei a me questionar sobre o tipo de mãe que estou me saindo ultimamente, daquela que "finge" estar adorando a brincadeira e a conversa, mas que no fundo, queria estar é longe dali, num silêncio - ou numa balada - sem fim - e proibida para crianças. Daquela que depois que a criaturinha dorme, respira aliviada e se sente feliz, mas que... tá bom....no fundo ainda sente uma culpa enorme por não ter se dedicado mais e logo, já sente saudade da princesa pentelhinha acordada. Mas que alívio que ela já dormiu! Um turbilhão de sentimentos. Loucura total.

Estou na fase do estar sem assunto no blog, e achar que já falei tudo. Do de receber presentes e propostas de empresas interessadas em publicidade e não pensar em outra coisa a não ser dizer à elas que "pagando bem, que mal tem?" É claro que eu não toparia falar aqui bem de um produto que não me agrada, como uma papinha industrializada (e tem pediatra que ainda recomenda, dá pra acreditar?), um andador super ultra moderno que não prejudica os joelhos e as perninhas, ou sobre um brilhinho labial melequento, mas....pagando bem......HAHAHHHA!! Brincadeirinha!

Estou na fase de me irritar com a demora da Luísa no banheiro: na enrolação no banho e das brincadeiras com a escova de dentes e com os pingos de suco de uva no chão. Aliás, ando irritada demais. Mas também me surpreendo, de vez em quando, "cagando e andando" prás mãozinhas sujas e oleosas nas paredes da sala, pros pézinhos pretos na hora de dormir, pros farelos de pão espalhados pela MINHA cama e para as minhas roupas molhadas na hora de dar-lhe banho e deixar o chuveirinho nas mãos dela. Adoro esse sentimento. Esse de cagar e andar, sabe? Acho que a vida deveria ser levada assim, cagando e andando mais para as neuras que nos fazem perder tempo.

E a preguiça de procurar soluções e tirar dúvidas na blogosfera, no Google? Hein? Alguém aí pode ser mais claro comigo? Alguém pode me mandar um e-mail ou uma mensagem inbox? Ando numa preguiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiça..........Preguiça até de fazer o jantar! É pecado sentir prreguiça de preparar o jantar, gente? Porque se for, que Deus me perdoe e que acelere essa minha fase. Óbvio que não mato ninguém de fome aqui. Óbvio que alimento minha filha o mais correto possível na hora do jantar. Conto com a sorte dela gostar muito de brócolis, couve-flor, vagem, carne grelhada, pão com linguiça, mas confesso que dou pulos de alegria quando ela acaba dormindo antes desse horário. Volto a perguntar: é pecado?

E a falta de "saco" para ir ao médico? Hein? Todo o processo anterior ao de chegar até o doutor me irrita. Me dá "gastura" (estava louca prá escrever essa palavra!) só de pensar em telefonar para o consultório, agendar uma consulta, ter que esperar no mínimo 10 dias, depois chegar o dia da consulta, esperar na sala de espera, passar pelo médico, fazer um monte de exames, marcar retorno, retornar....ai ai! Coisa mais chata. Cansei!

É gente, e exatamente como disse a Mari, acho que a maternidade POR HORA, PRÁ MIM, deixou de ser um grande evento, e passoupara mais uma modalidade da minha vida. Normal, sabe? Sem grandes "causos" prá se contar.
E aí, você vem e me pergunta: "mas e aí? mesmo assim quer ter outro filho?"
E eu respondo SIM, sim, sim, sim, sim....
Vá entender.
Aliás, deixa pra lá! Nem tente entender não!
Acho que ninguém se arrepende de ter tido outro filho e sim, de NÃO ter tido.


Dedico este post à Mariana Zanotto. Obrigada pela inspiração e por ter me ajudado a aliviar a culpa e a enxergar o turbilhão de sentimentos de uma maneira tão normal.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Vídeo bacanérrimo

Quem é que não conhece o Mamatraca né?
Além de excelentes mães e profissionais, agora estão produzindo vídeos conosco!!!
Como amar uma criança:

http://www.mamatraca.com.br/?id=409&como-amar-uma-crianca

Vão lá ver!! Tá lindo o vídeo! Tem muita mãe linda e criança linda por lá.
Obrigada pelo convite Mamas!!!
Adoro participar! E contem comigo sempre!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Hoooooras de sono

Luísa sempre foi uma menina de dormir bem.
Claro que teve suas fases, mudanças de horários, mas voltou a dormir muito.
Há uma semana que ela dorme às seis e meia da tarde e acorda às sete da manhã do dia seguinte.
Minha pergunta: devo acordá-la para a janta? Nunca fui de acordá-la pra comer, mas confesso que estou um pouco preocupada com tanto sono e nada de jantar. E aí?

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Mais uma da série "um sete um"

"Mamãe, se eu fosse você, eu faria um tetê bem quentinho agora e te daria!"

Disse exatamente como está aí, no seu português mais correto.
É ou não é uma "um sete um" deliciosa?

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Novo site

Estou numa correria sem tamanho, mas tive que passar aqui pra contar que o novo site da Luciana Azevedo está lindo. Lalelilolu Studios!
E está rolando um sorteio lá, gente!
Foi a Lu quem fez os desenhos dos meus dois blogs, e admito, com LETRA MAIÚSCULA, que sou "fãzáça" dela! Maravilhosa!
Lu, muito sucesso pra você!

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Minha amiga em casa

Me lembro como era gostoso ter uma amiga dormindo em casa.
Demorar pra pegar no sono, ir pra escola juntas no dia seguinte...tudo fora do normal!
Como era bom!!!
Luísa já passou algumas noites fora, na casa da amiguinha. E no final de semana passado foi a vez da amiguinha passar a noite aqui.
Coisa boa trocar de cama, assistir filme juntas, comer pipoca!!!
É como sempre digo: filha, tenha amigos!! Sempre!!


Você descobre que pode pentear as sobrancelhas com a escova de dentes...

E escovar a testa também...

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

E vai rolar a festa

Luísa está totalmente envolvida nos preparativos de sua festinha de aniversário, desde a confecção das saias para as amigas, os convites, as varinhas e alguns detalhes na decoração dos docinhos.
Assunto predominante aqui em casa, acho que o envolvimento da criança nesse tipo de evento gera, além de euforia e alegria sem fim, uma certa ansiedade fora de controle, não? Até que ponto é bom isso?




terça-feira, 30 de outubro de 2012

Como dizer que está com fome fora de casa

Luísa é sabida.
É esperta.
E é tímida.
Na casa da amiga, sem a mãe por perto, e provavelmente com fome, Luísa não exita em dizer:
-"Ô tia, as meninas estão com fome!", referindo-se às duas ou três amigas que estavam ali com ela.
Na verdade ELA é quem estava morrrrrendo de fome.




sábado, 27 de outubro de 2012

Michel Teló x Menudo x Léo x Luísa x Eu...tudo isso na madrugada de sábado!

A mãe aqui é tão frouxa, mas tão frouxa, que chora ATÉ assistindo o programa (programa? não sabia dessa!) do Michel Teló no Multi Show às seis da manhã de sábado. E eu bem que já pedi pro meu marido parar de me chamar pra tomar café com ele de madrugada, porque não tô conseguindo mais dormir depois!
Mas me deixa explicar:
Chorei na parte final do programa - e já estou ansiosa para o próximo episódio! - quando apareceu ele indo embora de um show em Murcia, Espanha, de ônibus. Aquela muvuca de gente tentando enxergá-lo lá dentro, adolescentes, pais e crianças andando ao lado do ônibus, e lá dentro ele dizia: "puta merrrda! só criança, cara! isso é de partirrrrr o coração". O sotaque do Michel é delicioso. Nessa, alguém da produção diz "pára um pouquinho aí, motorista!" e Michel desce,  dá um puta abraço em uma menina, que estava acompanhando o ônibus desde lá de trás. Gente! Chorei! Chorei de ver a alegria dela e da MÃE dela! E me coloquei no lugar, claro! Lembrei do quanto eu amava o Menudo e o quanto eu sonhava em dar um.....não vou mentir que queria um abraço! Queria é beijar TODOS na boca, isso sim! Como eu os amava! Como eu repeti a 6a.série por eles e não me arrependo! hahahaha...
Coisa boa essa de ter um ídolo, né?
Lembrei também de uma noite que meu pai entrou no meu quarto e eu estava chorando. Chorando muito. E ele me perguntou o motivo e eu disse:
-"Por causa do Menudo e do Léo!!!!!" Léo era um menino que eu gostava. E meu pai não pode fazer nada! Só me ouviu e me deu carinho.  Mas tenho certeza que, se ele pudesse, teria trazido o Menudo e o Léo pra mim naquele dia. Agora, pensa na mãe que conseguiu fazer o ônibus do Michel Teló parar para a filha poder dar um abraço no cara?! Ah, chorei, né!
Luísa não tem um ídolo ainda, mas quando tiver, tenho certeza, absoluta!!! que correrei atrás deles com ela.


E viva o Michel Teló, pela atitude de ter descido daquele ônibus e dado um abração na fã...
E viva o sábado, que começou cedo e choroso para mim.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Meu brinquedo preferido

Ultimamente tenho pegado bastante no pé da Lulú pelo fato de, se deixar, ela só quer assistir filme.
Poxa! Diante de tanto brinquedo que ela tem: cestos de Barbie, de instrumentos musicais e de jogos, tintas e papéis à vontade, livros por todos os cômodos da casa, bicicleta, bola....ela quer assistir filme.
Bom, detalhes e discussões à parte, quanto ao fato dela passar o dia todo na escola brincando, sem TV, num terrenão legal e cheio de amigos, e não ter acesso à TV lá, eu até deixo um pouco aqui em casa, sabe. Mas um pouco. Só que, sem TV, Luísa fica andando atrás de mim o tempo todo. Parece que não tem criatividade ou vontade suficientes para brincar com o monte de coisas que tem no quarto.
Mas ontem eu encontrei o seu brinquedo preferido. Um brinquedo que, há tempos está conosco e que ela vira e mexe está se divertindo. Um brinquedo baratinho, que se não me engano, ainda foi lembracinha de alguma festinha de aniversário.
Estou falando de uma dentadura de vampiro.

Igualzinha a esta, só que lilás!!

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Menos uma culpa

Quem é que nunca teve um final de semana agitado, por conta de trabalho, seja este mudança ou acúmulo de tarefas, e teve que deixar a atenção dispensada normalmente à cria, de lado? Ou que, mesmo carregando a criaturinha junto, a atenção ficou voltada para outra coisa ou outra pessoa?
Foi exatamente isso que nos aconteceu no final de semana passado. Por conta de uma casa nova para a sede da Capoeira, tivemos muito trabalho, desde fazer mudança, carregar móveis doados, limpar a casa nova, almoçar correndo, ficar sujos o dia todo, e tudo isso com Luísa, agitadíssima à tira colo e pedindo atenção. Foi duro! 
E aí, você deita na cama de noite, com os pés e corpo latejando de cansaço, a cabeça ainda à mil, e dá de cara com a culpa. A criança já está dormindo, mas a culpa está agora à todo vapor. E fica lembrando dos momentos que sua filha quis brincar de Cai não Cai e você não pode porque tinha estrado de cama para botar para dentro do quarto, ou que ela quis um copo de água e você pediu para ela esperar um pouco. Nossa! Pode falar que sou dramática, mas que foi um drama, sem exageros, foi.
Só que aí, você começa a pensar no tanto que ela se divertiu na loja de móveis usados, subindo e descendo de um sofá gigante que tinha lá. E do pastel fora de hora que comeu. Do preá - um ratinho, esquilinho, gambazinho, sei lá que bicho era aquele - que a encantou. Da chuva que tomamos na rua. Do kit maquiagem que ganhou da minha cunhada e pode se maquiar à vontade o dia todo (porque a mãe aqui não estava podendo prestar muita atenção), do passeio com meu irmão, do show que pode ir no domingo de manhã, da saia de chita que a acompanhou o domingo todo (no show, no almoço, no shopping, na casa nova da Capoeira, na casa da vó..)
Quer dizer, estivemos juntas o tempo todo, não achei que dei atenção suficiente à ela, mas, pensando bem, ela viu e vivenciou muita coisa diferente. 
Só depois disso, consegui relaxar e dormir em paz.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Curtas e misturadas

Luísa anda brava ultimamente.
Está inconformada porque todas as suas amigas estão fazendo cinco anos e ela ainda está com quatro.
Por outro lado, está toda alegre porque ganhou uma bicicleta aro 20, maior do que as de suas amigas mais velhas. Vá entender, né?

*****

E para quê esperar papai chegar para fazer acupuntura nela, se agora, ela mesma faz!!
Eis que entro no meu quarto, Luísa está sentada na minha cama, com uma cartela de sementinhas e a pinça nas mãos, se "autotratando". E o mais impressionante - pelo menos para mim, que sou corujona mesmo - foi que ela colocou as sementes nos mesmos pontos que o pai coloca (ou bem próximo deles).
Tenho ou não uma mini acupunturista em casa e não sabia? Alguém aí, precisa de uma consulta? Agende a sua.

*****

E quando sua filha machuca o braço, ela manca, como a minha? Será que faz cena ou não, hein?

*****

Dos neologismos Luluzísticos, o mais engraçadinho do momento é o "Mamãe, mas que demoração. Vem logo aqui!!"

*****

E esta é para começar bem a semana.
Ontem pedi um gole do refrigerante que Luísa estava bebendo.
Depois do golão - aquele bem grande mesmo - ela me disse:
-"Mamãe, é que eu tô fazendo um "bochecho" aí pra ficar mais quentinho".
Estava bebendo e cuspindo de volta na lata. Éca!!!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Saias Tutu para o Halloween

Acabei de fazer a saia tutu da Lulú, para usar no Halloween. Ficou linda.
Quem quiser, basta encomendar aqui ou aqui.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Pé mais horrível do mundo

Ele, por si só, já não ajuda. E pra ajudar, a moça aqui ainda sai de casa com pressa, coloca o chinelo do marido, porque está mais fácil e porque só vai ali, no mercadinho do bairro, e quando tem um tempo pra respirar, olha pra baixo e vê isso:

Lulú pintou.
Mamãe legalzona deixou, e relaxada, não tirou.
Sem mais...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Luísa com S ou com Z?

Me chamo Fernanda Keli.
E não riam do meu nome! Fernanda Ke-li. Tem combinação mais descombinada que isso? Digam que tem, por favor! :)
Talvez Rodrigo Rafael, ou Edilaine Catlin, e até Mariana Helena, podem ser piores que o meu.
Nunca gostei do meu segundo nome, mesmo ele sendo escrito da forma mais simples e brasileira possível: com um L e I. Pior que isso, só se fosse com dois Ls e mais o Y no final. Arght!

E quando escolhi o nome da Lulú, primeiro que queria um nome simples, sem um segundo nome acompanhando, e segundo, achei que não teria tanto problema com a maneira com que se escreve Luísa.
Só que tenho: da mesma maneira que as pessoas estão acostumadíssimas a escreverem KeLLY, elas também escrevem LuiZa. E isso me chateia. Chateia porque Luísa, minha filha, não é Luiza. Luiza é outra pessoa. E não tem coisa mais chata que ver o nome da minha Luísa, escrito com Z, em qualquer lugar que seja. Já aconteceu de vir algum bilhete da escola com seu nome com Z, e eu corrigi. Dia desses aconteceu de colocarem seu nome com Z em uma exposição de trabalhinhos. Não pode. Costumo ver publicações nas redes sociais, onde mencionam o nome dela com Z e, acho que simplesmente perde a identidade.
Não tenho nada contra Luísa com Z. Só escolhi com S porque minha avó era Luísa com S e queria que fosse assim também: com S.
Pode ser frescura da minha parte, mas...quem disse que não sou fresca?


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O poder da oração de uma criança

Sempre discordei do pedido "e seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no céu". Juro. Discordo. Quero que sejam feitas as minhas vontades, e por isso eu peço, exatamente o que eu quero. Quando faço minhas orações, eu agradeço e peço. Seja lá dinheiro, seja saúde, seja luz, o importante - na minha opinião - é pedir o que se quer. E ensinei isso à minha filha. Em suas orações, ela agradece por tudo: pelo seu dia, pelos amigos, pela escola, pelos pais, pela família, pelo ar que ela respira, pelo quarto dela...e pede também: uma boneca, um irmão, um cachorro... e outras coisas.
"Peça, filha. Peça com vontade, com fé. Peça com força."

Ontem, no auge de sua crise alérgica - a maldita tosse de novo - Luísa, por vontade própria, juntou as mãozinhas e pediu: "Papai do céu, muito abrigada pelo dia de hoje. Por favor, sara minha tosse, porque eu não quero mais ela. Obrigada e amém."
E a tosse, dois minutos depois deste pedido, se foi.

Eu acho que, num mundo de hoje, onde as pessoas se decepcionam com as outras facilmente, onde políticos mentem descaradamente e nem são punidos pelos erros que cometem, onde a tecnologia nos afasta do contato físico, vale acreditar sim no poder da oração de uma criança, e mais ainda, que este foi atendido prontamente.
Obrigada Papai Nosso do Céu.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Sobre a natação e a segurança adquirida sem a mamãe

Luísa faz natação há algum tempo.
Começamos com 6 meses de vida, e entre um inverno e outro, parávamos a atividade, ou por causa do frio, ou por causa da tosse.
Há um mês ela voltou à ativa. Eu disse ELA voltou, pois decidi que não entraria mais na piscina com ela.
E como já era de se esperar, Luísa se deu muito melhor sem mim ali com ela. Obedece melhor aos comandos do professor, faz os exercícios com mais perfeição e o melhor, vem se desenvolvendo mil vezes mais rápido.

Ontem fomos ao clube, e quase morri de alegria e orgulho quando vi Luísa nadando direitinho e sem bóia.
Ela segura na borda da piscina, dá o impulso com os pés e vem nadando por baixo da água. Quando acaba o ar, ela sobe, coloca a cabeça pra fora ("que nem" tartaruga!) e continua nadando, até chegar em mim. Coisa mais linda de se ver.

Isso me fez crer que minha filha deu um salto em seu desenvolvimento depois que "saí de sua cola" dentro d'água. Comigo ali na piscina, durante as aulas, sentia Luísa insegura, com medo de se soltar e afundar. Mas foi quando a "soltei" sozinha com o professor e as amigas de natação, que ela se libertou. E está se saindo uma peixinha. Está nadando sozinha, afundando e ficando o maior tempão embaixo d'água, e dá até piruetas lá no fundo, com os pés no chão.
Acho que é à partir de agora que tenho que ter conversa e cuidado redobrados.
Mas estou feliz com sua conquista. Minha nadadora.

Lulú é a criatura de touca rosa, no canto esquerdo da foto.


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Estamos numa fase perigosa

Não é só porque sua filha não mexe nas coisas, que você pode deixar tudo à mão.

Luísa, até hoje, nunca havia mexido em caixa de remédios. Eu podia deixar tranquilamente um vidrinho de dipirona, ou a cartela de anticoncepcional, sobre o criado mudo, que ali permanecia.
Agora, não posso mais.

Parece balinhas, né?


Semana passada, eu e marido jantando, quando Luísa passou correndinho pela sala, cheirando essência de vela e pedindo água. Aquele cheiro é inconfundível! Na mesma hora saí correndo em direção à ela, cheirei sua boca e bingo!! Ela tinha pingado uma gotinha daquilo, que estava na minha gaveta, na língua, da mesma maneira que fazemos com suas gotinhas de homeopatia.

Nesta hora, você não lembra se dá água, se dá leite, se provoca vômito ou se dá uns tapas!
Dei água! E conversei muito, mas muito sério com ela. Disse que não se pode colocar qualquer coisa na boca, principalmente remédios, e que aquele vidrinho era perfume, que poderia dar dor de barriga nela.
Luísa jurou que não engoliu a essência. Disse que só colocou na língua, mas o cheirinho permaneceu nela por uns 3 dias.

* Essência de vela, ou para vela, é um cheirinho que você compra e coloca uma gotinha na vela, depois de acesa, que exala um cheirinho gostoso pela casa.

Na escola, há algumas semanas atrás, Luísa distribuiu bolinhas de homeopatia para todas as amiguinhas.

Final de semana passado, na casa da minha mãe, Luísa acha um comprimidinho em cima da mesa da cozinha, dá uma lambida e devolve no lugar.

Ontem, aqui em casa mesmo, depois de tomar as cinco gotinhas de homeopatia da manhã, Luísa me pede tetê, espera eu sair do quarto, abre o vidrinho de gotinhas novamente e pinga mais "umas par" de gotinhas na língua, e desta vez, quase optei pela última alternativa: uns tapas!
Acabei optando pelo chacoalhão!
Nela e em mim!
Porque não se pode deixar remédio dando sopa pela casa, jamais!

Veja aqui e aqui, algumas dicas de segurança em casa.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Na Veja

Há um tempo atrás, a Bia, do Mãe da Cabeça aos Pés, acompanhando meu blog, minha saga, chatice e reclamações sobre a escola da minha filha, e depois a escolha "certa" da outra escola,  me convidou para dar uma entrevista sobre o assunto. Um negócio chamado Educação.
Bia escreve um caderno publicitário de Educação, que circula dentro da Revista Veja, e esta semana, saiu. Êpa. Saímos!


Olha nós aqui!

-"Mamãe, vou falar pra tia que a gente saiu na revista do Ronaldo gordo!"

Sincera de tudo.
Chique, né?

Sobre a cultura popular brasileira, O Bumba Meu Boi e o Ô de Casa

Semana passada, acompanhei meu marido a uma aula demonstrativa de Capoeira, em um colégio particular aqui da cidade.
Antes de dar início à atividade prática, Lucas deu uma aulinha teórica sobre o esporte: de onde realmente veio a Capoeira; se é brasileira ou africana; se é luta, dança, esporte, folclore...
Antes disso ainda, Lucas fez as seguintes perguntas, para aquele grupinho de ensino médio:

- Vocês sabem o que é Capoeira?  O que vocês já ouviram sobre Capoeira?

E a resposta foi... :(
Não teve resposta... :( :(

Tirando a vergonha de se expor, ou o medo de falar alguma bobagem e os colegas rirem, é visivelmente claro que o adolescente sabe muito pouco sobre nossa cultura. E não estou falando DA Capoeira em si. Muitos jovens não tem noção da riqueza cultural que temos, e assim, preferem buscar ou valorizar só para a cultura importada. Claro que é legal ter acesso a tudo, mas não dar valor ao que nós temos, é um pecado.

******

Domingo, de bobeira no Sesc, assistimos a apresentação de bumba-meu-boi, do grupo Cupuaçu. E desta vez, até Lulú entrou na dança.

Dançando em volta do boi.

Fazendo carinho no boi.

Agora, uma crítica:
No início da apresentação, o grupo fez uma crítica pública aos que assistem novela:
"Quem assiste novela é quem não tem nada pra fazer!"
Este comentário foi feito após uma brincadeira do próprio integrante do grupo, com o público. Na verdade foi ele que começou inserindo o Tufão na história do bumba-meu-boi. E a cada intervalo de música, este mesmo integrante citava vários outros personagens da mesma novela: Carminha, Jorginho, Cadinho e até a Soninha Catatau...
Há algo de contraditório nisso, não, seu Boi?
Achei muito feio!

******

E olha quem vem!!!


Ô de Casa
Com Cia. Tempo de Brincar e Inezita Barroso
Sesc Sorocaba
Dias 12 e 13 de outubro, às 18h.

Já comprei meus ingressos!



domingo, 30 de setembro de 2012

Iguais até quando eu puder

Muita gente acha brega mãe e filha se vestirem iguaizinhas, mas se isso é brega, eu assumo que sou. Porque eu adoro! Acho lindo. Acho fofo.
Nas primeiras festas de aniversário da Lulú, eu mandei fazer roupas iguais para nós duas. Depois vieram as festas de princesas, e aí a coisa complicou, né? Porque, vem cá: já pensou eu vestida de  Branca de Neve igual à ela? Não, definitivamente não. Mas tenho certeza que Luísa adoraria. Ou então, me daria a fantasia da bruxa.

Como sei que essa fase passa logo, eu aproveito, e quando tenho a chance de comprar alguma coisa igual, eu compro. A Pampili tem a linha Mamuska Tal Mãe Tal Filha. E isso não é propaganda não. É pura paixão.Olha isso:


Quem disse que Luísa não tem nada meu? E as perninhas? Os joelhos? Iguaizinhos!

Aí a gente coloca roupa parecida também!


quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Kid night out

Não será a primeira vez que Luísa dorme fora de casa. Hoje será a segunda.
Não conto as vezes que ela dormiu na casa da vó ou da Dinda, mas sim, as que ela dormiu fora, com pessoas que não são da família.
Luísa me pediu para dormir na casa da amiga, porque acredita que "ficará tranquila".
Foi exatamente isso o que ela disse.

A primeira noite fora, foi num acantonamento, nas férias de julho, no clube. Ela adorou, mas teve seu momento saudade da mamãe. Estava com algumas amigas da escola, e além disso, já havia passado a semana com toda aquela criançada que ali, passaria a noite. Como me provou a situação, Luísa deve ter sentido alguma insegurança, claro, o que a fez pedir por mim. Com uma boa lábia das monitoras, ela acabou ficando bem lá.  Mas desta vez, acredita que vá ficar mais tranquila, porque estará na casa da amiguinha.

Me lembro da primeira vez que viajei sozinha, com o clube, sem meus pais. Gente, que medo! Que insegurança! Era tanta gente junta, dormindo no alojamento do clube, e eu me senti uma bobinha. Todo mundo super enturmado, à vontade, e eu, dura de medo. Me lembro que a turma toda saiu para alguma balada, e eu não quis ir. Um absurdo! Tudo bem que eu devia ter meus 10, 12 anos, mas era completamente travada.
Espero, realmente, que Luísa seja mais desinibida. 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O segredo é não ser neurótica

E um dia eu aprendo isso direitinho!

Ontem Luísa foi e voltou da escola.
Foi o tempo de eu ir pra academia, fazer três exercícios de perna e "triiiiiiimmmmm" (quem vê pensa que o toque é esse!) o telefone toca. Luísa estava com dor de barriga e chorona.
Sabe aquele dia que você tem no mínimo oito coisas pra fazer, só na parte da manhã? Pois é. Enlouquecedor, né? E sabe o que eu fiz com essas oito coisas? Na-da. Não fiz! Fiz outra coisa no lugar. Uma coisa que nem estava nos planos: arrumei o guarda-roupas da Lú, com a Lú!

Meu dia fluiu!
Minha paciência estava 100% presente!
E juro: nos divertimos pra caramba!
Ah, a dor de barriga, né? Sumiu! Foi só vomitar uma vez e pronto! Luísa ficou livre, leve, solta e super disposta a me ajudar! Aliás, arrumar o guarda-roupas da filha, com a filha presente, é uma delícia! Pra ela, claro! A gente arruma, ela desarruma! A gente organiza, ela bagunça! E mesmo assim, deu super certo. Arrumando guarda-roupas, a gente desentulha umas coisas que acabam sendo novidade pras crianças! Porque elas esquecem que tem tanta coisa guardada! Olha, se for enumerar aqui quantas coisas achamos, e fizemos, e testamos, e jogamos fora, serão muitas! Só de cofrinhos, descobrimos que temos cinco guardados. CINCO!!! Fora os dois que estão em uso!

Ouvimos vários cds, vestimos fantasias, colocamos tiaras, limpamos livros e separamos tênis que não servem mais. Assistimos O Fantasma da Opera, dançamos Galinha Pintadinha e até conseguimos fazer uns enfeitinhos para a festa de aniversário dela.

Cinco horas da tarde, ela dormiu. Tinha que ir buscar meu marido às seis e levá-lo ao outro trabalho. Sem estresse! Coloquei Luísa dormindo no carro, e levei ela pra minha mãe. Deixei ela lá, dormindo. Fui buscar o marido e levar para o outro lugar. Voltei pra minha mãe, dei um tempo lá, coloquei Luísa no carro novamente e fui buscar o marido. Já eram nove da noite quando cheguei em casa. E Luísa ainda estava dormindo. Abrimos a porta da sala e:
-"Ooooooooooi, papai!"
Acordou!
Sem estresse!

Sou uma pessoa completamente bitolada nas coisas. Detesto começar e não terminar. Odeio me planejar pra fazer algo e não conseguir ou não ter tempo pra fazer. Se decido pintar, quero pintar, e não me mande fazer outra coisa! Se preciso lavar a louça da cozinha, por favor, me deixe lavar a louça, ou ficarei com este compromisso me atrapalhando o caminho. Se tenho compromisso na agenda, não suporto ter que passar este compromisso para o outro dia. Enfim, sou assim mesmo. Mas ontem fiz diferente: desencanei! Não fiz nada do planejado e só fiz o inesperado. E foi uma delícia! Curti muito minha filha. Como há algum tempinho não o fazia.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Algumas tiradas ótimas

Luísa pega um Activia e diz:
-"Mamãe, toma! Você tava inchada mesmo. Toma!"

Domingo pela manhã, Luísa acorda e diz:
-"Mamãe, preciso de uma chave de fenda pra arrumar meu notebook!"
Como se chave de fenda fizesse muito parte de sua infância e vocabulário!

Em pleno dia de virose caganeira,  resolvo arrumar o quarto da Luísa.
Maior paciência do mundo, já que seria impossível começar e terminar algo.
Arrumo os jogos e ela desarruma. Brinca meio segundo e já cansa. E deixa tudo espalhado. Eu reclamo:
-"Ah, Lú, tenha dó! Pode fazer o favor de guardar onde você achou!"
E ela, fazendo o maior drama:
-"Pode me ajudar! Senão, depois não me venha pedir carinho e beijinho, que eu não vou dar!"

E esta, pra fechar com chave de ouro:
-"Mamãe, eu e o Vitor não estamos namorando. Eu só estou apaixonada por ele!"

sábado, 22 de setembro de 2012

Até que foi uma boa ideia

Hoje teve Feira Cultural na escola da Luísa. Todos os alunos, desde o maternal, foram envolvidos na preparação do evento: pesquisaram sobre alguns países, fizeram símbolos de materiais recicláveis e montaram a exposição. Um trabalho em equipe muito legal!
Luísa e sua turminha ficaram responsáveis por Portugal.
Luísa e os amiguinhos fazendo pastéis de Belém, de argila.
Aí, (agora vou mudar totalmente o assunto) alguém disse à minha filha, que quem toma vitamina de banana, morango, maçã e leite, vira as "empreguetes". Pois é! Ói só isso! Isso eram onze horas da manhã, e Luísa não parou mais de falar na tal vitamina de virar as "empreguetes". Disse que tinha que tomar logo, porque queria ficar igual a Rosário. Me atazanou o dia todo. Como não estávamos em casa, não pude providenciar a tal vitamina imediatamente.
Chegamos em casa à noite, e foi logo a primeira coisa que fizemos.
Luísa nunca foi de tomar vitamina. Na verdade, nós aqui em casa não somos de tomar vitamina assim, e por isso, Luísa também não é. Tentei algumas vezes, e como ela não gostou muito, acabei desencanando. Mas agora, com essa história de ficar como as meninas da novela, dançar e cantar como elas, espero que a vitamina pegue. Luísa me ajudou a fazê-la: cortou a banana, lavou os morangos e ligou o liquidificador. Tomou um copão.
POr que é que eu não tive essa ideia antes, e primeiro que qualquer outra pessoa?

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

A grande diferença

A principal diferença entre criança doente e marido doente é que criança reage.
Mesmo estando caidinha e com febre, a criança ainda se esforça em brincar.
Mas o marido não. 
Marido gosta de ficar de cama. 
Marido gosta de falar mole. 
Marido gosta de transformar uma dor de estômago em gastrite fulminante.
Marido gosta de "sijogar" na dor.
Não é mesmo?

Um ótimo final de semana pra todo mundo.
Vou lá cuidar dele.
Rrrrrrrrrrrrr....

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Falta organização

Depois de algum tempo me culpando por estar completamente sem paciência com a Lulú, a ponto de pensar que aquela mãe do começo, que se dedicava, que abdicava de tudo, que contava histórias, que brincava toda hora, que explicava tudinho e vivia cheia de energia para ensinar o tempo todo morreu, ou entrou em depressão, HOJE, e somente HOJE, cheguei à conclusão de que tudo o que está me faltando é ORGANIZAÇÃO.

Luísa entra às oito da manhã na escola. Eu, como uma boa preguiçosa, levanto sempre em cima da hora, e isto já é a primeira prova de desorganização aqui em casa.
Me apronto primeiro, e só depois começo a loucura:
- preparo seu leite e levo para ela, ainda na cama.
- enquanto ela bebe, coloco seu uniforme e o tênis.
- depois, já no banheiro, ajudo a escovar seus dentes.
- enquanto ela come alguma coisa na cozinha, arrumo seu cabelo, que me dá um puta trabalho.
- e então vamos para a escola.
Só que, o problema maior, é quando ela volta da escola.
Por termos que ficar na dependência da programação de trabalho do único macho da casa, não conseguimos estabelecer uma rotina ainda neste período. E só temos que ficar na dependência dele, porque ainda estamos com um único carro. Por isso o stress! Um dia voltamos direto pra casa. No outro, temos que levar o papai pro trabalho. No outro ainda, temos que ir buscá-lo e chegamos mais tarde. E quando chegamos cedo, ficamos meio perdidas dentro de casa. Luísa se apossa de mim de um jeito, que não consigo fazer absolutamente nada. Uma hora ela tá brincando no quarto, mas cinco minutos depois já me pede algo pra comer. Mais cinco minutos e quer ver tv. Mais cinco, e quer descer pra jogar. Mais cinco quer desenhar. Mais cinco quer ouvir música. E TUDO COMIGO!!!!! TUDO EU! TUDO EU! TUDO EEEEEEUUUUU!! 
Se tivéssemos uma rotina certa, como chegar da escola, tomar um lanche, brincar um pouco, tomar um banhinho, assistir um pouco de tv, jantar e dormir, pronto!! Estaria tudo resolvido.

*****
E como cheguei à esta conclusão HOJE, resolvi que mudaria isso tudo HOJE!
E o que aconteceu?
Luísa dormiu!
Cedo pra burro!
MAs pelo menos enxerguei, que o que está faltando por aqui é só ORGANIZAÇÃO!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Ibiquá, onde mesmo, mamãe?

Era o que nossa família precisava: sair do ambiente aqui de casa e passar um final de semana super diferente, em um lugar diferente e com pessoas diferentes.
Escolhi o Ibiquá Eco Resort, em Avaré, por ser um lugar perto, cheio de atividades para a família toda, e o melhor: foi super bem recomendado, por um amigo, que trabalhou lá. Então encaramos o passeio.
Saímos na sexta-feira, logo depois da escola da Luísa. Duas horas e meia de estrada e lá estávamos nós.
É estranho chegar a um hotel à noite, né? Ainda mais quando este fica na beira de uma represa, e é cheio de mato e terra vermelha em volta. Dá um medo de não ser bom.
Mas enfim, chegamos e fizemos o check-in. Estávamos mortos de fome.
Comida muito boa, atendimento muito bom, só faltava fazer um pouco mais de calor, já que as previsões todas prometiam um calor de rachar. E BINGO! Tivemos o final de semana mais quente do ano.

Curtimos muita piscina, toboáguas, pedalinho e caiaque, cerveja e caipirinha. Meu marido não bebe, e o que mais eu lamento é não ter tirado uma foto dele vindo do bar da piscina, segurando uma garrafa de cerveja na mão e uma caipirinha na outra. Foi cômico. Ficou bêbado em dois goles, claro.

O hotel tem uma equipe bem legal de monitores, e oferece atividades para adultos e crianças o dia todo. Se minha filha fosse uma crinaça que "desgarrasse", seria muito provável que só a veríamos à noite. Mas não é bem isso que aconteceu. Luísa se enturmou sim, mas com uma única menina, e também não se desgrudaram mais.


Algumas observações:
- Luísa não gosta de "bichinhos". Tem medo de lagartixa, borboleta, passarinho e qualquer tipo de inseto.
- A comida é tão boa, que todos nós Luísa comeu muito, mas muito, mas muito bem.
- A maioria dos alimentos servidos no Ibiquá é dali mesmo: queijos, pães, verduras,frutas e legumes.
- Tive que ir umas cinco vezes em cada toboágua, junto com Luísa, até ela se sentir segura o suficiente para descer sozinha e com a amiguinha.

Confesso que, à princípio, a intenção era viajarmos sem Luísa, mas decidimos levá-la, contando com os monitores e programas separados. Ela não ficou só com os monitores nem um minuto sequer, mas nos divertimos muito, e acho que, se tivéssemos realmente ido sem ela, meu coração teria ficado esbugalhado. O lugar é perfeito para crianças.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Emoção sobre quatro patas



Você começa um passeio tendo o controle total da situação.

E então você resolve largar as rédeas nas mãos do pai da criança.

E olha o que ele me faz.
Quase morri de emoção e nervos, mas deu tudo certo!

No Ibiquá Eco Resort, em Avaré. Amanhã conto sobre o hotel.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pedido pro Papai do Céu

-"Mãããe, mããããe, fica quieta, porque eu tô rezando pro Papai do Céu!!"
-"Ah é, filha? E o que você tá falando pra ele?"
-"Tô pedindo uma irmãzinha japonesinha!"


Puxa, Papai do Céu! Quero ver você atender essa!
Ai ai ai! Lucas não vai gostar!!

Causo de criança - ou do além?

Meu marido acredita muito naquela história de que criança é anjo. Que vive junto do Papai do Céu, até que ela, juntamente com Ele, decidam para que família ela deve seguir.
Luísa já nos deu vários indícios de que essa história realmente é verdade. Várias vezes ela já nos disse que estava sim com Papai do Céu e que ela nos escolheu. Já disse também que ela já nos conhecia antes mesmo dela nascer. Ela também fala muito dos queridos que estão lá no céu, e que olham por nós, como a Bisa, a Vovó Isabel e o Bidu. Sempre sempre os encontra nas estrelas. Fora ainda, que só ela consegue ter umas conversas com o pai, que só eles se entendem, e ele então acaba até com medo.
 kkkkkkkkkk....

Mas o que quero contar aqui, que é definitivamente o motivo deste post, é que ontem, saí com uma amiga vizinha, que acabou de ter um bebê muito lindo - lindo mesmo - e que, como toda mãe (duvido que haja alguma diferente dessa),  surtou já de ficar dentro de casa. Precisava sair, nem que fosse pra entrar no carro, dar uma volta na rua, e voltar. Aproveitou a chance de ser aniversário do marido, e me chamou para irmos comprar um presente. Adoro. Colocou um "bodyzinho" no bebê, o mesmo que ele ganhou DA maternidade, na maternidade: branco, com uma mão verde estampada na frente (verde porque é a cor do logo do hospital) e com os dizeres: Nasci em boas mãos. Ótimo. Simples e fresquinho. Saímos.
Depois do presente comprado, aproveitamos para buscar Luísa na escola, afinal, já era mesmo hora, e ela ficaria contentíssima de ter como companhia, o Gabrielzinho. Feito. Chegamos na escola. Apertei a campainha. Pedi pela Luísa. Ela veio. Entrou felizona no carro. E disse:

-"Tia Bruna, por que o Gabriel tá com a roupinha do hospital?"

Plóft!
Pléft!
Ai caramba, caí!

-"Cooooooooooomo assiiiiiiiiiim, filha? Como é que você sabe que é roupinha de hospital?"
-"Eu sei, mamãe."

Ela nunca viu a roupinha.
Ela não nasceu naquele hospital.
Ela não sabe ler.
Ela nem conhecia o Gabriel pessoalmente ainda.

E aí?
Que medo, né?
kkkkkkkkk.....

E você? Você tem alguma historinha do além, sobre seu filho, pra me contar?
Lucas, meu marido, claro, acha que Luísa é extremamente sensível. Que ainda é um anjinho. E que sabe o que está dizendo. Ele não é espírita nem nada. Ele simplesmente crê em Deus e nos anjinhos. E você?

Este é o anjinho Gabriel, filho da querida Bruna, minha amiga vizinha, com seu body do hospital.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Nova tática no banho

Barbie no cabeleireiro

Luísa no chuveiro

E sem drama, sem cena, sem show.

Noção de tempo X herança de mãe

Coisa mais bonitinha quando a criança erra na concordância do ontem, do hoje e do amanhã, né?

-"Mamãe, ontem é dia de ir na escola?"

-"Eu já fui na casa da Paulinha
- Jura, filha? Quando?
- Amanhã, né, mãe?"

Mas esta fase já acabou por aqui, e hoje, Luísa tem muita noção do tempo, inclusive na contagem dos dias, nos "depois de amanhã", e nos "faltam 2 dias".
Uma coisa que ajuda bem, e que sempre gosto de usar por aqui, é marcar os eventos num calendário que tenho na geladeira: atividades especiais na escola, aniversários e passeios.  Anoto tudo ali, e ela mesma se encarrega de contar os dias.

****

Sexta-feira agora, dia 14, tem passeio com a escola.
Desde ontem, ela acorda e diz:
-"Mamãe, faltam 3 dias pro passeio da escola!"
Só que hoje, a bichinha encasquetou que faltava apenas um dia:
-" Não, mamãe. É UM dia! Ontem foi dia ONZE. Hoje é dia DOZE. Então falta UM dia!"
E isso me fez lembrar de duas coisas:
a primeira: eu NUNCA gostei de matemática. SEMPRE fui muito péssima nessa matéria horrorosa. De tão péssima que era, cheguei a odiar TODOS os meus professores de matemática.
e a segunda (e mais grave): esses dias estava lendo com ela o cronograma das aulas na escola, e quando disse MATEMÁTICA, ela emitiu um sonoro "aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhh mããããããããe, eu NÃO GOSTO  de matemááááááática".
Já entendi o cálculo de hoje.
E já vi que vou ter que pagar muita professora particular de matemática pra ela.
Será que herdou de mim?
I hope NOT!


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Descansar faz bem

E depois de um final de semana inteirinho na piscina, Luísa, mais que merecidamente, dormiu MUITO. E eu também.
Quando eu digo muito, não é nada além do normal, não, para uma criança de 4 anos e meio. Afinal de contas, sei que nesta idade, elas dormem entre 10 a 12 horas por noite, certo? Não pra você? Calma.

O soninho das crianças muda muito com o tempo. Luísa já me fez pensar um dia que nunca mais dormiria uma noite inteira novamente. Mas isso muda.
Quando nasceu, e devido ao fato de ser prematura, Luísa tinha que mamar de duas em duas horas obrigatoriamente. Com isso, eu também tinha que acordar a cada duas horas. O tempo passou um pouco, Luísa cresceu e as coisas foram se alterando: uma época dormiu bem durante a noite e de dia tirava umas sonequinhas boas. Depois passou a dormir melhor durante o dia, e a noite, queria brincar. E assim tudo vai se ajeitando, até que hoje, Luísa "dorme pra burro". Exatamente como deve dormir uma criança da sua idade: entre 10 e 12 horas por noite.
Com o calorão do final de semana, pegamos piscina todos os dias. Uma maravilha, porque assim, antes mesmo de chegar em casa, já dormia. Ontem mesmo, de tarde, dormiu das três às sete da noite, e quando foi onze, estava dormindo novamente. Por isso, se você tem ainda problemas com o sono do seu bebê, desencana: um dia você volta a dormir, e ele também.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Vocês sabem brincar de forco?

Aaaaaah sabem sim!





Luísa tem fixada na porta do quarto, uma lousa.
Uma lousa que nos serve pra brincar de escola, desenhar e até mesmo anotar o nome dos "aluninhos" na parte "ATENÇÃO" do quadro.
Ontem, estava deitada na cama da Lú, enquanto ela escrevia, e rabiscava, e conversava com Anninhas, Gabis e Victors. De repente ela me pede pra brincar de FORCO com ela.
Quando viro pra ver, noto ela desenhando a FORCA e já colocando os tracinhos exatos da palavra MAMÃE. Achei o máximo, e cada vez mais me convenço que a escolha de deixá-la período semi integral na escola, foi a melhor e mais proveitosa que fiz.
***

-"Mamãe, como escreve ATENÇÃO?"
Comecei a soletrar, e quando cheguei no Ç, soletrei C. Ela, automaticamente, colocou o rabinho na letra e o ~ na letra A. É a evolução!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Se acabando no drama da vida real e atual

Olá.
Vou logo avisando que por aqui, as coisas andam feias. Feíssimas.
A verdade é uma só: eu estou é cansada.
Cansada de tudo.

É pecado dizer que canso da minha filha? Que minutos antes de ir buscá-la, ao mesmo tempo que sinto uma ansiedade boa, sinto também um aperto na barriga e uma preguiça no corpo? Que eu ando sem a menor vontade de brincar com ela? E que minha paciência sumiu? E que eu não vejo a hora que ela durma? É?
E é pecado dizer também que a pessoa mais chata e sem graça desse mundo tem sido meu marido? Que tenho visto tudo de errado nele e feito o drama mexicano quando ele me ignora?

Defesa: Luísa está naquela fase insuportável de se fazer de surda, de desobediente, de teimosa, de tinhosa e de respondona, acreditam? As últimas dela são picuínhas do tipo:
-"Filha, se você comer mais uma bala do pote, eu prometo que vou jogar fora todo o resto!"
-"Jogue!" E ainda chacoalha os ombrinhos! #óóóóódio!!

Da parte surda dela, não existe no mundo coisa mais irritante do que ter que repetir zilhões de vezes uma coisa e a figurinha ainda continuar fazendo. E ainda pra ajudar, virei mãe definitivamente agora, sabe.
Daquelas que, quando dizem pra tomar cuidado porque senão algo pode acontecer, o "algo" acontece?
Pois é. Virei essa mãe. Insuportavelmente certa. E chata. Que tem falado muitos nãos ultimamente, mas por culpa da teimosia da criatura.

Quanto ao marido, deixa pra lá, porque este não é um blog de marido, não é o "Esposa do Lulú".
Mas que ele tá me irritando com tudo o que diz, e pensa, e fala, e olha, e se mexe.....aaaaaaaaah tá, viu!


sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Post relâmpago e a preguiça geral

Porque hoje é sexta, e apesar da alegria que uma sexta-feira traz, tenho zilhões de coisas pra fazer.
E depois as pessoas ainda me perguntam se eu não estou trabalhando e tal. Gente, eu ralo mais do que quando trabalhava fora. Porque pelo menos quando eu ficava fora tempo integral, eu era obrigatoriamente mais desencanada. Agora não! Agora tenho mais responsabilidades: banco, cartórios, supermercado, dar uma enganada na aparência da casa,almoço, janta, enfim...trabalho muito, sim senhor!!

Luísa está ótima! Nunca mais deu xilique pra entrar na escola e está feliz da vida porque a mãe sempre aparece por lá com novidades! A última foi a aulinha de cupcakes, que ainda devo as fotos, mas é porque alguém me deve.

Em casa ando meio apurada, meio estressada, meio com preguiça. Será que é pecado ter preguiça de escovar os dentes da filha, ou de preparar algo bom pra ela comer ? É?  Marido chega tarde e quer contar as coisas, mas Luísa insiste em interromper pra contar mais causos. Eu piro! Me sinto no meio de um tornado, não consigo pretar atenção em nenhum dos dois.
Temos uma viagem marcada e ainda não sei se levo Luísa. Na verdade preciso ficar quieta, descansar, dar banho somente em uma pessoa (eu), escovar somente os meus dentes e só ter eu pra colocar pra dormir, mas marido insiste em ter pena dela e pensar que o resort tem muita coisa e muitos monitores pra cuidar dela. Tô pensando em deixar os dois e ir sozinha!
Na academia tô pegando mais pesado esta semana, já que em 3 meses ainda não vi resultado algum.
Marido tinha me dado de presente de aniversário um personal, mas o cara escolhido foi mandado embora da academia, então continuo na mesma: sem personal e sem vergonha na cara. Ontem mesmo, depois de ter passado duas semanas comendo só proteína a noite, resolvi jantar um pão com hamburguer e queijo derretido, por pura preguiça. Diz se não é falta de vergonha na cara? Mas que tava uma delícia, tava!
Bem, gente querida, gente amiga, é isso.
Vou tratar de resolver minha sexta-feira, para que pelo menos a noite, consiga um pouquinho de tranquilidade e menos preguiça.

****
Oi!
Mas apesar da preguiça, tenho ajudado Luísa a escovar os dentes todos os dias!

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Cupcakes, crianças?

Sabe o que eu fiz hoje?
Fui lá na escola da Lulú para dar uma "aula" de cupcakes para a turminha dela!
Levei os bolinhos prontos, o chantily e os confeitinhos.
Coloquei todos os confeitos na mesa do refeitório, enchi dois sacos de confeitar de chantily e dei nas mãos da criançada.
Todas de touquinhas, uma fofura!
Cada criança fez uns 3 cupcakes, e é claro, comeram todos na mesma hora.

As fotos das crianças eu coloco depois, ok?

Mais uma vez, agradeço a escola pela tarde, pelo espaço, pela oportunidade e pela delícia de atividade!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Luísa digita

luisa 4
fernanda

dgddj 8efbvf3443211dskh5tg
 fdzdrrfjfdhrkyoyly558888s 488554858990
ersssfdffffdgfghdbcsxxdfggzhs\jdcc ga sww3w2 rw23 43
tfdffddd tgtt thjg gfjfg dgdghgh gjggggtrtrtejevn

******

Traduzindo:
luisa 4 anos
fernanda

"Hoje a bóia é boa
Tem filé de bode
Sopa de mosquito
Salada de bigode
E de sobremesa
Mocotó de lesma
E refrigerante
Xixi de elefante"

******

Obrigada!


sábado, 25 de agosto de 2012

Você compra pra mim?

Estamos aqui passando pela fase do consumismo exagerado!
Ou do desejo exagerado.
Luísa quer tudo!
De comida à brinquedos, ela só sabe pedir: bicicleta, patins, boneca que faz cocô de verdade, bolinha que ascende e pula, beirute de peito de peru, sorvete, chiclete....
Minha ida ao supermercado fica 30% mais cara se a levo comigo.
E não pense que é para comprar balas e chocolates não! Ela quer melancia, cerejas frescas, ervilhas verdinhas, brócolis, couve flor e queijo branco!
E com este cardápio, fica difícil dizer não, né?


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

No jornal

Lembram da aula de Capoeira que dei na escola da Lulú?
Então! Saiu no jornalzinho e eu tô que tô. Luísa tá super orgulhosa! Que delícia!


No próximo estarei lá novamente, com novidades!



terça-feira, 21 de agosto de 2012

Cadê meu chiclete rosa, mamãe?

E a birra de hoje se deu por conta de um único chiclete rosa que havia no pacote, e que o PAI dela pegou. O único rosa, gente! Sabem o que é isso? Conseguem imaginar o tamanho do drama, logo às oito da manhã? E será que Lucas não podia ter pensado nisso também? Que aquele chiclete rosa (e único) era para ela?
Homens!
São tão desligados!


sábado, 18 de agosto de 2012

Nem queria mesmo!

Coisa mais chata encantadora do mundo é deixar pai e filha na escola, para uma gincana e depois, churrasco, para comemorarem o dia dos pais.
Tudo bem que eu quase morri de inveja coceira de vontade de ficar também, mas acho tão importante e delicioso este momento só deles dois. E o mais legal: na escola, com todos os amigos.
Fora a ansiedade da Luísa - e isso ela puxou de mim - em chegar logo lá, em estar só com o pai e, comer um churrasquinho. Tá! Puxou de mim também!
Sabe, não é puxar o saco da escola não, para depois poder pedir um desconto a mais na rematrícula, mas é que eu acho maravilhosa a valorização que se dá à família. Eles poderíam estar todos nas suas casas, descansando, afinal, já ficam com as crianças a semana toda, e se fosse eu, ia querer mais é ficar na minha casa, mas não. A galera está lá, animadíssima e com sorriso no rosto, recepcionando super bem. Um lugar para se sentir em casa mesmo.



Antes de sairem do carro, recomendações ao papai:
-"Olha lá! Participe de tudo aí, hein? Não se esqueça de que você é o herói dela. Ganhe todas as medalhas,amor!"
Enfim, ganhando ou perdendo, agradeço à Deus, todos os dia,s por minha filha ter um pai que participa.

Ela nunca poderá saber

...que sua mãe repetiu a 6a. série por causa de um certo grupinho da época chamado Menudo!

Levanta a mão quem teve este disco!!!!!


quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Luísa teimosa e o elefantinho que se dava mal

Ontem, depois de ter lido e comentado um post da Roberta, sobre o comportamento das nossas filhas, entre quatro e cinco anos, relaxei.
É!
Desestressei um pouquinho.

É interessante (e desestressante) compararmos as fases das nossas crianças, e podermos chegar à conclusão de que É NORMAL, nesta idade, desobedecerem, teimarem, testarem nossa paciência, responderem, fazerem birrinhas e serem prazerosamente chatinhas (pelo menos eu prefiro pensar desta maneira, e acreditar que, criança que não faz isso nesta idade, É ANORMAL! RARIDADE!).
Só que, ao mesmo tempo que desobedece (que provoca), Luísa sente, não sei bem sei é medo, mas no final, resolve obedecer. Dá pra entender? Ela testa e, se eu insisto, se faço cara de má, ela obedece.

Então lá vou eu, com toda minha paciência, que desaparece sim de vez em quando, mas brota rapidamente depois, contar uma história à ela. Só que desta vez, direcionei o assunto para a teimosia e a surdez (ou é só minha filha que se faz de surda às vezes?).

O Elefantinho Atrapalhado (Editora Ediouro), conta a história de um elefantinho danado, que faz tudo o contrário do que a mãe pede: é desobediente e se faz de "surdo", e sempre se dá mal. E olha só: Luísa super se identificou com ele! Conforme eu ia lendo, ela ia fazendo comentários, do tipo: "que nem eu, né, mamãe?" e " não vou mais te desobedecer".

Apesar do livro ser indicado para crianças entre 0 e 3 anos,  nos identificamos agora, aos 4, quase 5 anos.


Acertamos na leitura da noite.
É bom, de vez em quando, direcionarmos as histórias às situações reais. Foi bom para mim, no sentido de ajudar minha filha a enxergar o que ela mesma faz, só que na pele de uma personagem, que ela acabou se identificando e percebendo que a teimosia é chata e às vezes, perigosa.
"Viu! Quando sua mãe disser NÃO, obedeça! É para o seu bem!"
Bem isso.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Decepção de hoje:



Ouvir da Luísa, que no Natal, o pai dela é que vai se vestir de Papai Noel.
Quem foi a desgramada que contou a verdade á ela?
-"Imagina, filha! Seu pai pode até colocar uma roupa igual a do Papai Noel, se ele quiser, mas Papai Noel é Papai Noel. Papai Lucas é Papai Lucas".
Só isso que consegui responder.